Pensionato de loucos... você entra e viaja nas mais loucas aventuras criadas por nossos consciêntes! Baseado na história original de Ken Akamatsu ~ LOVE HINA XD Divirta-se!
 
HallInícioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Em busca das armas sagradas

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3 ... 8 ... 15  Seguinte
AutorMensagem
Xysuke
~ Chefe da Cozinha ~
avatar

Leão Coelho
Número de Mensagens : 487
Idade : 30
Data de inscrição : 10/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Ter Maio 20, 2014 12:39 am

--------------------------------------------------------------------------
Música: https://www.youtube.com/watch?v=rYmsjocHajI
--------------------------------------------------------------------------

FLASHBACK

A provação havia terminado, e Xysuke havia passado no teste.
Tinha conseguido cumprir a missão que seu mestre havia lhe dado, como condição para receber a guarda do Kali-Yuga.
...exorcizar o próprio mestre, que havia, intencionalmente, se corrompido com as energias malignas, e se transformado num lunático enlouquecido com sede de sangue e destruição, uma besta descontrolada.
Após uma cruel e feroz batalha, que quase culminou em uma tragédia, Xysuke conseguiu passar no teste mais difícil, e trazer seu mestre de volta à razão.

- Meus parabéns, Han-Fao. Kali-yuga o reconhece como seu novo guardião.

Xysuke olhava para aquele bastão, que, nas suas mãos, parecia tão leve, como se tivesse mesmo se entregue e aceitado aquele novo usuário.



- Mas lembre-se. O bastão é um artefato da justiça. Deve ser usado única e exclusivamente para proteger a vida e a paz, e nunca, jamais, por motivos pessoais.

Xysuke sentia a energia do bastão se sincronizando com a sua, como se os dois, a partir daquele momento, tivessem se tornado uma coisa só. O bastão emitia uma energia e aura fortes e intensas, estava realmente vivo. Xysuke sentia isso mais intensamente do que nunca.

- O Kali-Yuga é capaz de absorver qualquer forma de energia. Com essa habilidade, você irá usá-lo para exorcizar os demônios, entidades e energias malignas que vêm ao nosso mundo para corromper o coração das pessoas para o lado do mal. A partir de hoje, você é um monge exorcista do templo Ling Sheng Su, um guerreiro a serviço da justiça, e o futuro da humanidade está em suas mãos. Lembre-se, com grandes poderes, vem grandes responsabilidades. Continue treinando, aperfeiçoando cada vez mais seu kung fu e seu chi kung, e jamais se desvie do seu caminho da justiça. O Kali-Yuga acredita em você.  Eu, seus irmãos do templo e May também vemos o seu grande potencial, como campeão da justiça. Só resta você descobrir a si próprio, encontrar sua verdadeira força e descobrir até onde é capaz de chegar. Mas essas coisas, o templo não pode ensinar a você. Isso você tem que aprender sozinho. Você entendeu?


- Sim, mestre!

Xysuke respondeu sem hesitar, fazendo a saudação secreta do templo para seu tutor. Imediatamente, os outros monges, organizados em duas filas ao redor deles, repetiram a saudação, seguidos por May, que estava mais afastada observando, e por fim, Kilik.

FIM DO FLASHBACK

--



Não só o Kali-Yuga, mas Xysuke havia quebrado também a confiança que seu mestre e seus companheiros haviam depositado nele, e a esperaça que carregava como guerreiro da justiça. May foi a única exceção, que jamais saiu de seu lado, e jamais deixou de acreditar nele. Mesmo quando Kilik bateu o martelo, que Xysuke seria afastado do templo, May não hesitou em largar tudo para ficar com o que restava de sua família.

Aquela era a oportunidade de Xysuke se redimir de seus erros, e fazer aquilo que é certo.
Uma nova batalha estava para ter início. E, dessa vez, Xysuke tinha ao seu lado, não somente May, mas também Mokona, que acredita nele com todas as suas forças, além do novo aliado que surgiu, com um objetivo semelhante ao seu.

--

Aparentemente, o ódio e a antipatia que Ali sentia por Az permanecia, mesmo após a poeira (ou seria areia?) da batalha anterior ter baixado. Ali recebeu as informações de Xysuke com ceticismo e nariz torto, mas pareceu considerar, no fim.

Xysuke ficou surpreso ao ver que, após Talim ter comentado que Az era mais forte que Ali, este não fez nada para contestar, como se realmente assumisse isso.

Enquanto Ali se levantou e ficou olhando pela janela, a sala permaneceu em silêncio por alguns minutos.

Xysuke tinha os olhos no Kali-Yuga, quebrado em cima da mesa.
Mokona estava de cabeça baixa, como se estivesse recolhida em seus pensamentos.

Xysuke aproveitou o silêncio para refletir sobre o que ele sabia a respeito de armas e itens lendários.

--------------------------------------------------------------------------
Música: https://www.youtube.com/watch?v=BIgGzeNOjqc
--------------------------------------------------------------------------

Armas e artefatos lendários.

Itens excepcionais, com habilidades muito acima do comum em relação às demais armas...e, em determinados casos, dotados de poderes sobrenaturais.

Sua origem é muitas vezes desconhecida, dando lugar às suas lendas e boatos, que se espalham rapidamente.

Alguns são obras dos deuses, demônios, manifestações da vontade do Universo, materializações do desejo da natureza. Algumas até recebem denominações estranhas, como Fantasmas Nobres...

Outras são obra do homem, fruto de sua dedicação e imortalizadas por suas batalhas.

Ao longo das eras, esses artefatos sempre escolheram guerreiros dignos de serem seus portadores. Ou, muitas vezes, o acaso assim quis...que determinadas pessoas tivessem seus caminhos cruzados com essas misteriosas ferramentas tanto de ordem quanto de destruição.



Não era à toa que os armeiros místicos, os maiores eruditos no assunto que toca às armas e artefatos lendários serem pessoas reclusas e solitárias, como Ali disse. Pelo bem e pela segurança da humanidade, era melhor que o ser humano não soubesse da existência de tais itens, ou do que seria possível fazer com eles.

Tais itens podem tanto proteger o mundo quanto destruí-lo...só depende de quem põe as mãos neles.

Xysuke voltou de seus devaneios ao ouvir novamente a voz de Ali, quando este continuou falando.

Então Ali tinha um mestre chinês, que o ensinou a dobra d'água...em um dado momento, Xysuke se perguntou se seria ele capaz de aprender a dobrar algum elemento algum dia...

Pelo visto, da mesma forma que Xysuke deixara de ser um monge carregando o nome do templo Ling Sheng Su consigo por ter quebrado um dos 3 itens da Trindade Sagrada (a saber, Krita-Yuga, Kali-Yuga e Dvapara-Yuga), Ali também havia perdido sua característica de Cavaleiro das Arábias por quebrar sua espada....de uma forma bem pior, pois além de perder o nome, perdeu os poderes sobre seu tapete mágico e sua faixa....Xysuke ao menos ainda sabia executar sua técnica de chi kung da cura, e fazer seus rituais.

Xysuke chegou a cair do sofá com o baque causado pelo "acidente aéreo" de Seta-san. Quando viu que era o próprio Seta pilotando o avião, ficou mais tranquilo, era apenas mais um "dia normal" na pensão, mesmo com a lesão profunda em sua cabeça fazendo jorrar sangue o suficiente para Seta morrer em alguns minutos caso não fosse tratado, mas aparentemente, ele estava acostumado com isso. Então Ali e Seta-san já se conheciam...

Aparentemente, a decisão estava tomada. Xysuke e Ali iriam para a China, como uma primeira parada em sua busca por um mestre armeiro capaz de restaurar suas armas. Pelo visto, Talim os acompanharia.....entretanto, havia uma variável que ainda não estavam bem definida, nisso tudo. Xysuke olhou para o lado...

------------------------------------------------------------------------------------
Música: https://www.youtube.com/watch?v=KmAkr6Ls700&index=16
------------------------------------------------------------------------------------



O "elo" que existia entre Xysuke e Mokona nunca mentia.
Xysuke percebeu que Mokona tinha dúvidas em sua mente, sobre o que fazer, ao saber que ele iria viajar.
Se sentia mal por Mokona....de repente, do nada, ele estava prestes a viajar, sem previsão de retorno.
Essa notícia deve ter atingido Mokona de uma forma muito rápida, sem dar a ela a chance de se acostumar com a idéia.
A última coisa que Xysuke queria era deixar sua namorada preocupada...mas dessa vez, ele simplesmente não tinha escolha.
Talvez esse seja um dos muitos preços a serem pagos por ele e Mokona serem portadores das armas sagradas.
O seu amor por Mokona era a coisa que Xysuke tinha mais certa em sua vida, e queria viver uma vida feliz com ela, casar, ter filhos, uma família normal.
Mas seria muito egoísta esperar que eles pudessem viver como um casal como os outros, sem nunca precisar tomar decisões difíceis como esta, sendo que a ambos foi confiada tamanha responsabilidade (além do fato de Mokona não ser totalmente humana, apesar de Xysuke nunca ter dado muita importância pra isso).
Inclusive, esse era um dos principais motivos pelos quais Xysuke ainda não tinha pedido Mokona em casamento.
Como guerreiros Hinata, eles poderiam estar vivendo em paz em um dia, e lutando e uma batalha mortal para defender a Terra em outro.
Entre pessoas "comuns", casamento já é uma coisa complicada...no caso deles, é mais difícil ainda encaixar uma mudança grande como um casamento, que requer muito planejamento, tempo e espaço, em uma rotina tão incerta e caótica como essa.
Xysuke queria muito conversar com Mokona a sós, mas haviam momentos adequados para as coisas...e haviam coisas que Mokona precisava decidir sozinha, sem a interferência de ninguém.
Xysuke teve uma idéia...talvez ajudasse se...

- Talim-chan, você e Ali fizeram uma longa viagem, devem estar cansados. Por que não descansam um pouco?

Xysuke se vira para Mokona.

- Flor, quem sabe você mostra a onsen pra Talim-chan, e tomam um banho juntas. De repente Haruka-san e Sarah-chan podem até se juntar a vocês, enquanto Ali e eu ajudamos Seta-san com o avião.

Xysuke acreditava que o melhor para Mokona, nesse momento, fosse conversar com outras mulheres. Existem determinados assuntos nos quais mulheres se entendem melhor entre si do que ninguém. Além disso, embora Ali tenha deixado claro que não havia nada entre ele e Talim, não era difícil de observá-los e chegar à conclusão que só ele pensava assim, que Talim tinha outro "ponto de vista". Em um cenário como esse, Mokona e Talim teriam muito para se entender...sem falar em Haruka-san, que ninguém sabia se tinha realmente se resolvido com Seta-san ou não. O que era aquilo? Uma batalha ou encontro de casais com problemas no programa da Márcia?

Xysuke se aproximou de Seta. (partindo do pressuposto que ele estava de volta, de onde quer que Haruka o tivesse feito aterrissar)

- Seta-san, posso ajudar a consertar o avião?

Enquanto isso, esperava por Ali, para ver o que fariam até a hora de começar a viagem.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Mokona
Auxiliar da Gerência ^.^
avatar

Leão Cabra
Número de Mensagens : 513
Idade : 26
Localização : Pensão Hinata
Emprego/lazer : Dai Suki Tea House/Namorar
Humor : >.<
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Ter Maio 20, 2014 9:32 am

*Voltando do espaço, que era sua mente, para a Terra, Mokona voltou-se para Haruka que lhe perguntava como estava a Casa de Chá. Ela ficou com as bochechas vermelhas, pois lembrou que Haruka tinha sido a gerente da Casa de Chá da Pensão por muitos anos.*

Mokona: - Es... está indo bem, Haruka-san. É... eu tenho muitas meninas de maid, e a irmã de Xysuke, a May, é minha ajudante mais talentosa, então as coisas estão indo de vento em popa!

*Xysuke falava com Ali e Talim, e virou-se para Mokona dando a idéia de convidar as meninas para um banho na onsen.*

Mokona: - Ótima idéia Xy-kun. Então meninas, topam um banho hiper relaxante na melhor onsem no planeta? ^.~

*Mokona tentou mostrar uma animação que não tinha, mas não queria somente enviar ondas de preocupação aos hóspedes. Deu um sorriso e começou a caminhar em direção ao local do banho. Ela deu uma olhada em Xysuke, que estava de costas pra ela, e seu coração apertou. Quanto tempo ficaria sem vê-lo, ele indo para esta viagem? O que ela poderia fazer para estar com ele, mesmo não saindo do controle da Pensão e da Casa de Chá? Poxa, ela ainda era um ser mágico, será que não tinha nada que lhe ajudasse nisso? Ela foi pensando na situação, enquanto conversava com as outras mulheres, lhes ajudando a guardarem suas roupas, trocar pelas toalhas, tomarem o banho e depois entrar na onsen. Enquanto todas relaxavam nas águas, parecia que despontava uma idéia na mente de Mokona para melhorar essa situação toda. Sarah fazia a maior bagunça ao redor de Haruka. Talim estava em um canto, olhando a tudo e apreciando a água, e Mokona aproximou-se dela, tentando afastar um pouco suas preocupações da cabeça.*

Mokona: - Talim-chan, estou feliz que o Ali tenha voltado ao normal. Aquela luta no deserto não foi nada boa. - Ela fez uma pausa, e foi direta. - E não demore muito para mostrar seus sentimentos para ele, os homens tem dificuldade em notar essas coisas... Pelo menos foi o que aprendi até agora, vivendo como humana...
Razz

*Mokona fechou os olhos e tentou relaxar.  onsen  Muitas imagens passaram por sua mente, e seu coração palpitou.



*O primeiro dia em que ela descobrira que gostava de Xysuke. Sentir o corpo de Xysuke junto ao seu, enquanto ele a protegia. O coração de ambos descobrindo que se amavam. O primeiro beijo à luz do por do sol. As lutas que travaram lado a lado. Os momentos de ciúmes. Aqueles dias em que ficaram separados por tantas dificuldades que passaram. Ele era o homem de sua vida, era ele que ela queria ao seu lado para sempre. Ele a entendia, assim como ela o entendia. Eles se completavam. Ela levou a mão ao seu coração, sentindo-o pulsar muito rápido. Eles tinham passado por tantas coisas, e ainda estavam juntos. Ela iria sentir muita falta dele, mas eles iriam viver juntos ainda. Seriam muito felizes. Teriam uma família. Ela iria sentir muita falta dele, seria doloroso, mas sabia que conseguiria suportar. Sentiu seus olhos molhados pelas lágrimas, mas eram lágrimas doces, cheias de amor e saudade. NADA iria separar seus corações e almas, mesmo que a distância os mantivesse separados por algum tempo. Iria lembrar de todas as coisas boas que passaram, e isso daria forças para ela continuar. Não sería egoísta a ponto de não deixar ele fazer algo que PRECISAVA fazer. Era para o amadurecimento dele, e nada nem ninguém poderia atrapalá-lo. Ela virou para Talim, seus olhos brilhando, cheios de amor ao lembrar de Xysuke. Somente a lembrança do sorriso dele já acalentava sua alma.*

Mokona: - Aprendi que ser humana é poder amar. Amar incondicionalmente alguém. Amar os amigos, amar a nós mesmos. Ser humana é ter amor. Ser levada para o lado do ódio, da tristesa, do egoísmo e do ciúmes, são somente os obstáculos dos caminhos que devemos trilhar para nos aperfeiçoarmos, e termos somente o amor no coração.

*A alma de Mokona brilhava de emoção e junto dela havia a consciência de alguém que por muito tempo ficou perdida entre ódio e amor. Agora entendia o que deveria fazer nesse momento, aproveitar a oportunidade de sentir somente o amor dentro de seu coração. Com isso Mokona vislumbrou uma forma de estar perto de Xysuke, assim não sentindo tanto a sua falta.*

Mokona: - Espero que consigam arrumar o avião de vocês... - Mokona falou para Haruka... - Só ainda não sei porque Seta-san resolveu pousar um avião aqui na Pensão... não temos pista de pouso... estamos em uma elevação que somente um helicóptero poderia pousar por aqui, e olhe lá!  Razz Coisas de Seta-san!  cherry 

_________________
 


Última edição por Mokona Chan em Qui Jun 05, 2014 10:02 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lola Chan

avatar

Escorpião Cabra
Número de Mensagens : 39
Idade : 26
Localização : Tóquio
Emprego/lazer : Treinar no dojo
Humor : ¬¬
Data de inscrição : 23/06/2009

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qua Jun 04, 2014 12:33 am

.: Lola Naruza :.


Em uma noite de chuva...

Nem sempre a vida fora fácil para ela. O ronco do motor a despertava de seus pesadelos internos. Pensava em como sua vida havia dado uma reviravolta, hoje como uma mulher líder e representante de sua família, ontem uma simples mulher apaixonada por sua arte com espada... O que ainda não se perdeu.

Recolocando o capacete, ela escondia sua face, aquela noite mais uma vez havia cumprido mais um contrato. Mais uma vez voltou a inclinar a cabeça para o lado, tendo a certeza de que o sangue da vítima escorria pelo asfalto. Ela não mais se importava, sua missão se tornara pela paz.

Hoje e sempre a encarnação da justiça era ela, e nada nem ninguém poderia controlar a sua sede pela vingança contra os impuros.

Caçada...
Odiada...
Desejada...


Tanto tempo depois, se redescobrindo; ela volta a deslizar rapidamente pelo asfalto, deixando para trás sua ingenuidade, mas, tendo a certeza de sua próxima missão.


Percorrendo entre os carros, desviando de vidas arruinadas ou sadias, sua próxima missão era chegar em casa e descansar de mais um dia de trabalho. Ninguém sabia, apenas seu velho companheiro Kuranosuke Sagara. Por dentro sentia raiva, em suas costas sua katana de fibra de carbono ainda continha o odor de sua caça, ela teria que disfarçar ou seria alvo de perguntas. Desceu de sua moto, o dia amanhecendo parecia golpear seus olhos cansados, ela percebia uma certa agitação na grande pensão, mas, não deu importância, afinal, um descanso lhe seria mais conveniente.

No dia seguinte...

Lola acordara muito tarde, procurava por alguém que lhe pudesse dar explicações do porquê de tanto falatório, vestiu uma roupa leve, e caminhou pela velha pensão, indo diretamente ao onsen.

- Por que não... *Falou para si mesma* ¬¬ To fedendo ainda... *Tirou sua roupa e entrou no lugar* - desde que a Lety casou este lugar ficou monótono... -.-... *Massageando o próprio corpo, sentindo dores sob as cicatrizes extras que ganhara com seu trabalho novo.* - Espero que ninguém entre aqui para me atazanar... ¬¬*** *Havia fumaça por toda a parte, o lugar realmente estava quente.* - Engraçado... -.- sinto falta de companhia... ¬_¬ Lola cala essa boca se não aparece... ¬_¬ *falando sozinha*

Continuem...

off: Voltei gente ^.~ Lolinha vai me representar nessa aventura! Por enquanto...  

_________________
"Não importa o quanto eu caia, eu sempre irei me levantar!"


"Sua vida não pertence mais somente a você, divida comigo, e terás meu poder." - Kami Serpente.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Convidado
Convidado



MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sex Jun 06, 2014 10:52 pm

Return to life

Trevas, tudo que podia se ver ou sentir era apenas as trevas tocarem sua alma, querendo devora-lo inteiro, olhares sedentos por sangue e  gritos para todos os lados. Seria um pesadelo ? Poderia ser, mas tudo que estava em sua volta era real demais para ser apenas um pesadelo.


- Não deixarei que levem a minha alma! - Gritou o guerreiro tentando afastar os males em sua volta enquanto procurava algo para se defender, apalpando o ar. - Ainda tenho contas a acertar com certas pessoas... - Disse ele, pegando algo que parecia estar preso em um suporte de madeira. - " Uma espada ? " - Pensou ele enquanto suas mãos apalpavam o objeto estranho. - " Só testando para saber se é ou não... " - Logo, pôs as duas mãos para frente enquanto as seguravam, e rapidamente com um puxão, desenbanhou a espada . - Não sei que tipo de espada você é, mas por enquanto, quero que me empreste a sua força para que nós possamos escapar desse lugar. - Disse ele fitando a lamina sobre a escuridão em sua frente.

- " Lhe darei uma chance... Mero humano..." - Uma voz do além sugia em sua volta. - " Beba o frasco que se encontra amarrado sobre a bainha desta espada... se suportar a dor, deixarei que use a minha espada... mas lhe digo que se beber, não terás volta... seus amigos, sua família e seus conhecidos não vão te aceitar de volta... " - Disse enquanto a voz fraquejava e desaparecia sobre o nada.

O rapaz procurou pelo frasco apalpando a bainha e logo encontrou algo preso em uma corda. Rapidamente ele o pegou, retirou a rolha que trancava o líquido que estava dentro e respiroi fundo . - " O que ele quis dizer com dor ? as pessoas não vão me aceitar ? por que ? nada disso faz sentido... O que essa bebida pode ter afinal... ? Que seja, espero que seja um blefe. " - Rapidamente, ele injeriu o líquido grosso e tossiu . - " Que merda era essa ? Tem um gosto forte de... " - Ele congelou por alguns segundos. - Sangue...

Rapidamente, todas as luzes se ascenderam como um passe de mágica, o local parecia ser um escritório antigo, com armários e mesas de madeira, o chão era coberto por um tapete vermelho, iluminado por lustres feitos com um material idêntico ao diamante.
Seus olhos se arregalaram para observar o local, supreendido, ele caminha lentamente para a mesa, como se estivesse procurando algo que diga a sua localização, mas é interrompido por uma dor forte em seu peito, uma dor que rapidamente crescia e se alastrava por todo o seu corpo, suas mãos e sua face suavam frio, logo, começava lhe faltar ar até trancar seus pulmões.

- Que... merda...é essa ? - De seus olhos, sangue escorriam no lugar de suas lágrimas. Com as mãos, ele tocou em uma que estava preste a cair e logo revirou os olhos a ponto de ficarem brancos e seu corpo desabar sobre o chão.

Misteriosamente, a porta do local se abre e dela entra uma mulher mais misteriosa ainda, usando um vestido vermelho escuro, seus longos cabelos negros e cedosos, deslizavam sobre suas costas enquanto ela caminhava lentamente sobre o corpo caído no meio daquela sala.

- Mas vejam só... - Ela se agaixa e toca sobre o pescoço do mesmo, sentindo o pulsar de suas veias. - Este deu sorte... - Ela sorriu enquanto levantava o corpo e o colocava em seu colo de forma que seu pescoço ficasse a mostra . - Lhe darei uma nova vida... para que possa terminar o que tens de fazer..., mas a vida lhe castigará enquanto você viver.

Delicadamente, a mulher levou seus lábios até o pescoço do rapaz, abriu levemente a boca, deixando os caninos crescerem e com gentileza, os cravou no mesmo. Aos poucos, o corpo ia perdendo sua cor, ficando levemente pálido, enquando ela deixava escapar um pouco de sangue nas laterais de seus lábios.

- Agora... O pecado vai consumir seu sangue e sua mente, seu corpo vai renascer e sua alma apodrecer... mas dependendo do caminho, sua alma ainda terá salvação... - Sorriu enquanto ela mordia o próprio pulso deixando o sangue correr sobre o seu braço e cair sobre os lábios do semi-morto.

Tomando o sangue, o corpo começa a se mecher, os olhos mortos e brancos se tornam um vermelho rubi enquanto seus lábios pediam em desespero por mais daquele líquido sagrado. Sem se dar conta da quantidade que ele havia tomado, ele para e se afasta rapidamente daquela mulher enquanto o sangue escorria sobre a lateral de seu lábio inferior.

- Qu... quem é você ? O que... o que fez comigo ? - Ele olha para as próprias mão em desespero.

- Quem eu sou ? - Ela se levanta mas por perder muito sangue alimentando-o, ela tomba e se apoia sobre seu joelho esquerdo. - Sou quem você menos imagina... - Ela ri com um sorriso fraco.

- Por que me salvou ? - Diz ele, limpando o rastro de sangue no canto de sua boca.

- Achei que você seria útil para mim..., não és um mero humano qualquer...- Ela passa a fitar os novos pares de olhos escarlates que a encarava com rancor.

- Mero humano ? o que quer dizer com isso ?! - Diz enfurecido .

- Me procure...- Ela se levanta aos poucos. - Me culpe por renascer e então vai descobrir do porque de estar vivo... Aliás, meu nome é Katarina... Meu querido Ryujin - Rapidamente, uma cortina de fumaça aparece e logo Katarina desaparece.

Sem saber o que fazer, Ryujin tenta abrir a porta da sala, mas sem sucesso, tenta forçar a marçaneta puxando-a contra si, e que por acaso acaba destroçando o mesmo sem mero esforço físico. Assustado, ele olha para seus proprías mãos  sem acreditar em sua força e logo sem pensar muito, corre sobre um corredor longo em direção a saída mais proxima. Saindo de lá, ele percebe que era uma pequena casa de fazendeiros, que aparentemente aparecia em seus sonhos.

- Essa casa... por algum motivo, ela me traz nostalgias... - Ele olha rapidamente para a casa e então volta a caminhar para fora daquele lugar, pegando o primeiro ônibus que passasse sobre a estrada de barro, em direção a tokyo.

Algumas horas se passam e então Ryujin desenbarca do onibus, e com passos lentos, caminha em direção a uma pensão perto de la, esperando poder descansar um pouco. Chegando ao local, ele bate delicadamente três vezes sobre a porta de madeira para que alguém possa atende-lo.

Off: Não se preocupem se não entenderam muita coisa, depois eu posto a continuação e ai vão entender tudo isso mais pela frente  (vitoria)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ali Al-Said Samir

avatar

Capricórnio Porco
Número de Mensagens : 40
Idade : 34
Data de inscrição : 14/08/2009

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Dom Jun 08, 2014 1:15 am

*Após o acidente de avião e enquanto Seta e Ali aterrissavam após um breve vôo por cortesia de Haruka e Talim, Mokona e Xysuke dão a eles a melhor oferta do dia*

Xysuke: Talim-chan, você e Ali fizeram uma longa viagem, devem estar cansados. Por que não descansam um pouco?
Mokona: Ótima idéia Xy-kun. Então meninas, topam um banho hiper relaxante na melhor onsem no planeta? ^.~

Talim: Vocês têm uma onsen aqui?! Obaaaaaaa! Mas é claro que eu aceito!

Ali (se levantando do tombo): Ai... calma Talim, não precisa se empolgar tanto...

Haruka: Huhu, não se preocupe Ali-san, pelo visto todos já estão bem familiarizados aqui.

Ali: ... tudo bem então, acho que é melhor mesmo as mulheres tomarem banho primeiro e nós homens consertamos o avião, como sahib Xysuke sugeriu.


*Então as garotas foram para a onsen, sendo arrastadas por Talim e Sarah, enquanto eu, Xysuke e Seta apagávamos o fogo e consertávamos a sucata, isto é, o avião de Seta. Eu olho as chamas do avião e solto um suspiro; há muitos anos não usava meus poderes de Avatar para uma coisa "rotineira", e se não fossem os fatos dos últimos meses eu nem sequer cogitaria em usá-los agora. Entretanto, eu já havia perdido meu status de Cavaleiro das Arábias, minha honra como Avatar e quebrado minha promessa para Gogo; não havia então nada que me impedisse de usar a Dobra Elemental. Com um movimento suave dos braços faço todo o fogo do avião e proximidades flutuar até minhas mãos no formato de uma bola e, em seguida, disparo um imenso jato de chamas para cima, extinguindo-as. Fico em base e faço outro movimento com as mãos, movimentando o chão e colocando o avião na posição normal, de forma que pudéssemos trabalhar nele de forma adequada. Seta arregaça as mangas e pega uma caixa de ferramentas.*




Seta: Haha, fazia muitos anos que não o via fazer uma coisa assim, Ali. Sempre me espanto com seus poderes, apesar de saber o tabu que são para você.
Ali: Eram um tabu, agora não são mais, sahib Seta.

Seta: É, mas posso notar que ainda não está completamente à vontade com isso.

Ali: É difícil, depois de tantos anos... e depois do que eu fiz.

Seta: Como eu disse dois anos atrás pra você, tudo a seu tempo. Eu nunca vi culpa em você pelo que aconteceu a Gogo, apesar do que você sente.

Ali: Tsc... escutei muito isso já. Mas não importa agora, eu fiz uma nova promessa, de que não iria me esquecer de quem eu sou, e isto inclui o fato de eu ser o Avatar.


*Continuamos consertando o avião; neste caso, estávamos usando apenas as mãos mesmo, já que eu não havia aprendido a dominar plásticos... era engraçado, como príncipe eu havia tido uma infância cheia de regalias e minha mãe jamais sonharia (ou permitiria) que eu fizesse trabalho braçal; no entanto, com a vida que eu tive há muito tempo eu havia deixado de lado as "frescuras" da realeza e não me importava de pegar no pesado. Na verdade, era até um alívio, fazia eu me sentir mais humano.*


Ali: Me diga, sahib Seta, sabe alguma coisa sobre o bastão do Rei Macaco?

Seta: Pergunta estranha... conheço a lenda, mas fora boatos não sei de nada concreto sobre ele.

Ali: Entendo... 

Seta: Bom, não sei se ajuda, mas ouvi histórias de que o bastão chegou a passar de mão em mão durante anos, mas que teria encontrado seu legítimo dono nas últimas décadas. Não sei se essa pessoa é o Rei Macaco, mas a lenda diz que o bastão reconheceu o macaco como seu dono e brilhou quando os dois se encontraram pela primeira vez.

Ali: Falando nisso, como surgiu esse bastão afinal?

Seta(enxugando o suor da testa e acendendo um cigarro): Longa história... segundo a Jornada ao Oeste, o livro que conta a lenda do Rei Macaco, o bastão foi encontrado pelo macaco no palácio submerso de Ao Guang, o Rei Dragão do Mar do Leste. O macaco estaria procurando por uma arma à sua altura, e após testar várias armas divinas que, infelizmente, se dobravam ou partiam com sua força, ele se aproximou de um pilar feito de ferro negro por sugestão da esposa de Ao Guang, e o pilar começou a brilhar para ele. Foi dito que aquele pilar era originalmente um bastão que fora usado pelo Grande Yu para medir a profundidade do Oceano, mas que agora ajudava a sustentar o próprio. Porém, o rei macaco disse que aquele pilar seria melhor na forma de bastão e o pilar prontamente o obedeceu, encolhendo e indo para suas mãos, apesar dos protestos do rei dragão. Mas o rei macaco disse que o Oceano deveria sustentar-se por si mesmo, como havia sido desde a Criação do mundo e se apossou do bastão, que se chamava Ruyi Jingu Bang e outros tesouros mágicos do rei dragão. Após todos os eventos da Jornada ao Oeste, sempre acreditou-se que o bastão esteve na posse do Rei Macaco, exceto os 500 anos em que ele foi petrificado pelo Guerreiro de Jade... porém, ouvi boatos anos atrás de que o bastão foi visto sendo usado por um garoto, com rabo de macaco...

Ali: Difícil distinguir o que é lenda do que não é nesse caso, sahib Seta.

Seta: Verdade. Mas se quer a minha opinião, se eu acreditasse em reencarnação, poderia jurar que o tal garoto seria a reencarnação do rei macaco Sun Wunkong.


*As palavras de Seta me atingiram como um raio. Embora as coisas estivessem ficando ainda mais lendárias com a história que ele nos contou, sua última frase abalou bastante meu ceticismo. Afinal, reencarnações sempre eram uma coisa constante para... o Avatar.*


***

*Enquanto isso, na Onsen, as mulheres relaxavam. Haruka fumava tranquilamente, enquanto Sarah brincava e Mokona falava com Talim.*


Mokona: Talim-chan, estou feliz que o Ali tenha voltado ao normal. Aquela luta no deserto não foi nada boa. - Ela fez uma pausa, e foi direta. - E não demore muito para mostrar seus sentimentos para ele, os homens tem dificuldade em notar essas coisas... Pelo menos foi o que aprendi até agora, vivendo como humana...


*Talim estufou as bochechas e levantou os braços, como que se desabafando*


Talim: E você acha que eu não tentei já, sahib Mokona? Bah! Eu tenho só 14 anos, mas sou bem mais madura do que aquele moleque pré-adolescente... Ali já poderia ter se casado comigo há muito tempo, mas prefere seguir as convenções. Desse jeito, vou acabar perdendo para... ela...

*O olhar de Talim ficou obscuro e um vento forte começou a soprar na Onsen. Mas logo tudo se acalmou. Talim soltou outro suspiro*


Talim: Sabe, apesar de todos os problemas, de certa forma a luta no palácio do Abubu foi uma boa experiência para o Ali, e para mim também. Ali amadureceu bastante, e perdeu parte da inocência que ele sempre teve. Descobrir o tipo de pessoa que o irmão realmente era e também do que ele próprio seria capaz, serviu para mostrar a Ali que, apesar de toda sua boa vontade, o mundo não é feito só de preto-e-branco. Há tons de cinza também... e cores. Eu também fiz certas coisas, mas pelo menos não fico... como dizem no Ocidente, "encanada" com isso.



*Haruka usou seu cinzeiro, enquanto imaginava quanto tempo seu marido, Xysuke e Ali levariam para consertar o avião SETA-03. Talim olhava com uma ponta de inveja os corpos de Mokona, Haruka e Sarah; ela era a mais nova das quatro (embora Sarah se comportasse como criança, já era praticamente adulta) e seu corpo ainda não se desenvolvera por completo. Se lembrou do corpo verdadeiro de Gogo, e sua inveja só aumentou; ajeitou sua toalha protegendo seu cabelo e continuou conversando com Mokona.*


Talim: À propósito de declaração, e quanto a você e ao sahib Xysuke? Ele apresentou você como sua namorada, mas quando pretendem se casar? Sei que nossos costumes são diferentes mas... bem, acredito que a gente poderá discutir isso melhor na viagem. Você vai vir conosco, não?


*Antes que Mokona pudesse responder, Sara jogou água na cara de Talim e Mokona e ficou rindo delas.*


Talim (rindo): Ah, é assim né? Eu te pego!



*As duas saíram correndo na borda da Onsen, rindo muito e se distanciando de Mokona e Haruka e indo próximo de Lola, que estava alheia a tudo aquilo, até que Talim alcançou Sarah; com a força e agilidade das duas combinadas, elas saltaram e se embolaram no ar, caindo em alta velocidade.*

Talim e Sarah: BALA DE CANHÃO!!!


*As duas pularam dentro da Onsen, espalhando água pra todo lado; um dos espirros de água foi direto na cara de Lola, que só então notou elas, quando uma bacia caiu em sua cabeça. Talim e Sarah saíram debaixo d'água e viram que Haruka, chateada porque o jato d'água apagou seu cachimbo, resolveu entrar na brincadeira, pegou uma pistola d'água e começou a atirar nas duas, que só então viram a cara de Lola e caíram na risada enquanto recebiam tiros de água.*





Talim: Hahaha... me desculpe, sahib...
Sarah: Haha! Ué, Lola-chan, por que está sozinha aí? Venha aqui pro outro lado da Onsen se divertir junto com a gente!



Continuem...

_________________


"Mac Allah(Poderoso é Deus)... eu sou apenas Seu humilde servo."
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Harima Kenji
Sub-Gerente e Sub-Chefe da Guarda
avatar

Libra Dragão
Número de Mensagens : 160
Idade : 29
Emprego/lazer : Programador / Professor
Humor : O de sempre
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Fogo e Sangue   Seg Jun 09, 2014 10:40 am

**Pra cada divisão é uma ação independente do char, vou tentar manter isso**
______________________________________________________________________________________________________

** pra quem não viu meu post de retorno no tópico 'apresente-se', minha entrada na aventura é a continuação deste post **

**Harima buscava encontrar seus amigos, ora, a casa estava tranquila demais, apesar de tudo, sentia-se mal por ter abandonado seus amigos na batalha contra Ali, mas acontecera algo fora de seu controle, em um súbito momento, ele e os seus familiares foram transportados para uma dimensão mágica, onde ele deveria permanecer ali por 4 anos, treinando e expandido sua magika até se tornar um Millenium Master completo**

**FLASHBACK**

Harima: Nós não podemos ficar aqui, eles precisam de nós!

Voz: Eles vencerão, e podem fazer isto sozinhos, preciso de vocês aqui até o tempo certo, há coisas piores do que Ali, e você deverá estar lá quando o estranho aparecer.

Harima: ué, estranho, mais do que a gente?

Voz: você entendeu, engracadinho, ainda descubro qual lado de você possui esse humor negro, alguém desconhecido chegará, e desestabilizará todo o Hinata-Sou, vocês são fortes, mas se manterão fortes se todos se odiarem? Aguente Harima, isto não é um treino apenas de força, mas de purificação!

**FIM DO FLASHBACK**

Harima: hm... bem, aparentemente ninguém estranho chegou, acho que devo desencanar. Ih, além do mais, desde que saí do treinamento tive meu cajado confiscado, pois o cajado do millenium master se encontra dentro do sagrado templo da luz, mas não tenho condições de ir, e antes disso eu preciso.... COMEEEEEEEEER!

Harima: Ué... ali na varanda tem uma movimentação. Oooooooi! Ore wa Harima-san desu! ** Agita os braços **
___________________________________________________________________________________________________________

HIkaro: ah, não encontrei ninguém, acho que vou mesmo é sentar no nosso velho sofá e dar uma descansada.
Hikaro: se alguem me ouve, só pra avisar que voltamos e 'tamo cheio da fomi', tchê!
___________________________________________________________________________________________________________

Shuuji:  bem, já procurei em tudo, acho que só faltou o onsen pra procurar, vamos ver...
** coloca o rosto nas toalhas do onsen e espia, após isso sua espinha gela **
Shuuji: ah, eu mal cheguei e já vou levar porrada....
___________________________________________________________________________________________________________

**Daphne nunca tinha andado por toda a pensão, e não seguiu a orientação de seu Irmão para não sair da casa, bem ela resolveu dar uma volta e acabou chegando a velha pensão abandonada.**

Daphne: Engraçado, a tranca está aberta, acho que vou dar uma espiadinha, hihihi, Hari-nii nem vai saber.

**Ao entrar via o estado de abandono, afinal das contas, desde que DeadLine foi derrotado pela 1ª vez, ninguém havia colocado os pés lá novamente, mas ainda assim, era um lugar acolhedor para ela.**

Daphne: gosto de lugares escuros, ué o que é aquilo?

** Um velho baú, um misto de excitação e ansiedade toma conta dela, será que deveria, uma etiqueta diz que pertencia a Cristiano, deveria mexer, talvez envelhecesse imediatamente após isso (folclore nihon) , mas ainda assim, toma coragem e abre, seus olhos brilham... **

Daphne: Hari-nii não pode saber disto, vou vir aqui todo dia, até descobrir o que fazer com isso, vou vasculhar o resto do lugar...
___________________________________________________________________________________________________________

É isso aí, continuem!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Xysuke
~ Chefe da Cozinha ~
avatar

Leão Coelho
Número de Mensagens : 487
Idade : 30
Data de inscrição : 10/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Ter Jun 10, 2014 7:47 pm

OFF: mudando novamente a cor da fonte das falas de Xysuke, pra que ninguém aqui fique cego...

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Xysuke observa Ali usar seus poderes de Avatar para ajudar Seta no conserto do avião.

- Yosh! Vamos dar um trato nesse avião! E, dessa vez, não me refiro a uma mulher gostosa!

Após receber algumas instruções de Seta sobre o que e como fazer, Xysuke pega as ferramentas adequadas e começa a trabalhar. Enquanto dava algumas marretadas nas partes amassadas, para endireitá-las, começa a cantar uma música ridícula, da sua cabeça.

- Jingle Bell, Jingle Bell, acabou o papel....não faz mal, não faz mal, pega no meu...

Dá uma marretada no próprio dedo.

- ITTAAAAAAIIII!!!!!

Ali faz um comentário.

Ali: Parece que alguém lá em cima não gostou da sua blasfêmia, sahib Xysuke.


- Bobagem ¬¬" foi só azar mesmo - chupando o dedo

--

Enquanto isso, "lá em cima"

Raphael: Vamos ver se aprende, idiota...¬¬

--

Enquanto Xysuke, Seta e Ali trabalhavam, Xysuke se lembra dos bons momentos de antigamente...

- Não é a primeira vez que eu saio em uma jornada ao lado de um companheiro. Nos meus primeiros dias de pensionista, fiz algo parecido. E, naquela época, eu tinha o Kali-Yuga ao meu lado.

(Citação da aventura "Ilusão de Harima" da antiga pensão do Orkut. Não lembro todos os detalhes, nem tenho como resgatá-los, pois deletei minha conta, mas vou citar os mais importantes.)

Nosso companheiro Harima, hoje casado com Lana, irmã gêmea de Lety, saiu em uma jornada para derrotar a escola de magia Kansai, que era rival à dele. A muito contragosto, seu irmão mais novo, Hikaro Kenji, hoje casado com Luna, prima de Lety, ficou na pensão, após Harima ter batido o pé de que iria sozinho.

Sentindo algo estranho, Hikaro não aguentou esperar pelas notícias do irmão e foi para Londres, atrás dele. Fui convidado a acompanhá-lo, e demos início a nossa viagem. Em diversas ocasiões no meio do caminho, fomos vítimas de algumas sabotagens arquitetadas pela própria Kansai, e alvos de assassinos, mas derrotamos os inimigos e seguimos em frente.

Ao longo da batalha, outros de nossos companheiros se juntaram a nós. Neji, Kyo, Kei, entre outros, nos ajudaram no confronto final contra Torimaru, líder da escola Kansai. Enfrentei um inimigo chamado Jin Saotome, e, apesar de derrotá-lo, quase morri, mas Kyo e Kei salvaram minha vida. Nos momentos finais da batalha, enquanto Hikaro e Harima acertavam as contas com Torimaru, Neji e eu enfrentamos seus guarda-costas, dois espadachins assassinos e mortais, conhecidos como Ryoko, o forte, e Kohaku, o veloz. Neji enfrentou Ryoko, e eu fiquei com Kohaku. A muito custo, conseguimos vencer.

Lembrar de batalhas como essa e muitas outras, me causa nostalgia. Eram bons caras, todos eles: Neji, Kyo, Kei, Nagi, Carlos, Harima, Hikaro, Shuuji, Dark, Lucian, Kira, JP....e o Az, né, hehe.

Xysuke sabia que a simples pronúncia do nome de Az causava quase uma urticária em Ali.....era melhor nem cogitar a possibilidade de mencionar que eles dois são mais parecidos do que imaginam.

Lutamos o bom combate juntos. Mas, infelizmente, nem todos os que passam pela pensão Hinata ficam nela, por mais que haja fundamento no suposto rumor de que quem se hospeda aqui, tem seus sonhos realizados.


Me pergunto o que terá acontecido com Harima e o seu pessoal...Sinto como se ainda pudesse ouvir a voz dele...

- Oooooooi! Ore wa Harima-san desu!

Haha, assim mesmo! ^^.........epa....hein??????????

Xysuke olha na direção da voz, e não acredita no que vê...

- HA....HA....HA....HARIMA?!?!?!?!?!?!?!?!?!?!

Mas, no momento em que Xysuke pensou em correr até o velho amigo, cumprimentá-lo e perguntar por onde tinha andado, uma pessoa bateu na porta da recepção, como se esperasse por atendimento, alheio à muvuca toda que ele, Ali e Seta estavam fazendo. Era Ryujin.

E agora, o que Xysuke deveria fazer?




Após pensar por alguns instantes, achou que, por mais que quisesse conversar com Harima, era mais correto receber a pessoa nova que estava prestando uma visita a eles....Harima, pelo menos já era de casa e ficava à vontade facilmente. Ali já o conhecia, apesar de TAMBÉM ter sido naquela época conturbada da batalha contra Abubu. E Seta-san também estava por ali.

Da próxima vez, Xysuke iria pedir para Mokona ensinar a ele a sua técnica Thousand Mokona Clone no Jutsu, para que ele pudesse estar em vários lugares ao mesmo tempo. Mas, por hora, tinha que receber o novo camarada....embora não pudesse esquecere de dar prioridade à missão dele e de Ali...a previsão era eles partirem dali a algunas horas, quão logo o avião ficasse bom.

- Malz ae, Harima-truta. - se vira para Ali - 1 minuto, Ali. Vou ali receber o cara novo - Xysuke junta as palmas das mãos, como em uma prece, e faz uma saudação bizarra e forçada para Ali - Jafiz, Cacildis, Mussumzis! - se afasta


Xysuke baixou novamente as mangas de sua camisa, limpou o suor da testa e se dirigiu ao estranho, aparentemente um novo hóspede, para se apresentar e o receber adequadamente.

- Olá, parceiro. Seja bem vindo à pensão Hinata. Me chamo Xysuke Uchiniwa. Nossa gerente está fora atualmente, por motivos pessoais. Posso ajudar em alguma coisa? Você é um hóspede à procura de um quarto?

Xysuke estende a mão para o estranho, com a intenção de cumprimentá-lo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Mokona
Auxiliar da Gerência ^.^
avatar

Leão Cabra
Número de Mensagens : 513
Idade : 26
Localização : Pensão Hinata
Emprego/lazer : Dai Suki Tea House/Namorar
Humor : >.<
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Seg Jun 23, 2014 5:55 pm

Mokona tinha esquecido como era bom ver a bagunça de muitas pessoas na Pensão. Ultimamente todos estavam tão atarefados, que mal se viam entre uma refeição e outra, entre um banho e outro. A vida corrida dos humanos adultos não era nada fácil. Se espantou ao ver Lola ali, quieta como sempre, e estava feliz em pode conhecer Talim. Esta moça, que era nova, mas parecia bem ciente de seu corpo e de suas tradições, já se imaginando casada com Ali Babá e os 40 ladrões...

Mokona lembrou da pergunta não respondida que Talim lhe fizera. Quando Xysuke a pediria em casamento? Ela não sabia. Por ela eles já tinham casado há muito tempo, porém lendo sobre a cultura dos humanos, na maioria delas, era o homem que pedia para casar com a mulher, então ela não iria constrangê-lo e mudar as regras das quais ele estava acostumado. Estava aguardando quando ele se sentisse bem para fazer isso, quando achasse que já era o momento. Quando essa data chegasse, seria a data mais feliz da vida dela, pois seria mais uma prova de que, mesmo ela não sendo humana, Xysuke iria amá-la sempre!!

Saindo da onsem e dirigindo-se para seu quarto a fim de trocar de roupa, Mokona foi pensando no que faria para que pudesse ajudar a todos nessa nova aventura. Ela TINHA que ir com eles, não só para estar próxima de Xysuke, como também para ajudá-los nas viagens entre dimensões. Se iriam atrás de seres mágicos, não necessariamente iriam encontrá-los neste mundo. Conhecedora como era do misticismo, sabia que existiam reinos e dimensões dotadas de magia poderosa, e que melhor lugar do que esses para localizar um ferreiro mágico?

Se pedisse a Haruka para tomar conta da Casa de Chá, ela ficaria ali? E se usasse seu poder de desdobramento, será que a criatura que surgiria, seria capaz de comandar tudo?? Mokona sentou na sua cama de toalha ainda, e mordeu o lábio inferior. Quantas dúvidas, aquilo estava lhe matando!!
 haa 

 *Calma minha querida, olhe para dentro de si e encontrará a resposta!*

A voz de Youko apareceu em sua mente. Por que ela vinha sempre com essa mesma frase?? Olhar para dentro de si?? Mokona fechou os olhos, concentrou-se e viu uma luz muito forte, que foi diminuindo aos poucos.



Ela viu uma espada brilhando ao longe. Aproximou-se vagarosamente e viu seu próprio reflexo na longa lâmina. Ela estava usando um vestido azul, cabelo preso em um coque. Lembrava a mulher de cabelos loiros que vira na varanda aquela vez. Então era por causa dela que Mokona tinha escolhido esta forma no final de todas as suas transformações?

Voz vinda da espada: - Mokona, é você?

Será que era a centelha de consciência de Arthuria? Aquela só podia ser Arthuria, ou o que ainda existia de sua existência na alma que agora habitava Mokona.


Mokona ajoelhou-se para ver melhor através do reflexo da lâmina: - Arthuria, é você?




Arthuria: - Mokona... Sim sou eu... mas eu sou você, portanto tu podes contar comigo...


Era como ver seu próprio reflexo no espelho.


Mokona: - Você ainda tem consciência? Eu... não sei o que dizer... eu...
Arthuria: - Não se preocupe, não quero tomar conta do seu corpo, nem pegar sua vida para mim, já tive minha época, agora quero somente paz e descanso. Porém, vejo que precisas de ajuda, e eu posso ajudar-te.


Mokona ficou pasma. Então Arthuria estivera ali o tempo todo! Adormecida... como ela nunca percebera antes...

Arthuria: - Agora não é o momento para divagações, acredito que seja de bom tom informar que você vai ajudá-los na viagem, para que todos se organizem, inclusive Gwen... - ela baixa o olhar - digo, Xysuke-sama...
Mokona: - Tá, peraí, deixa ver se entendi direito. Tu quer que eu use o meu poder de desdobramento e coloque a tua centelha de consiência na criatura desdobrada, para que tu possa ficar cuidando da Casa de Chá pra mim?
Arthuria: - Era essa minha idéia inicial...
Mokona: - Nossa! Olha, boa idéia. Se não for incomodo você me ajudar!
Arthuria: - Seria um prazer, até porque poderei viver em um corpo novamente, por algum tempo. O tempo suficiente para pedir perdão à minha filha, Mordred. Sei que ela ainda existe dentro de sua irmã gêmea. Então, o que me diz?
Mokona: - Ok, farei o desdobramento, e você ficará responsável pela Casa de Chá! Não sei quem ficará cuidando da Pensão nesse meio tempo, mas posso encarregar Larg, você e mais alguém para isso! Vou falar com o que restou da guarda da Pensão! Obrigada... Arthuria...


Mokona abriu os olhos, feliz, por ter encontrado uma solução. Esta noite mesmo faria o desdobramento, e antes de tudo, iria falar com Xysuke para avisá-lo. Vestiu-se rapidamente, e foi atrás dele, para lhe contar as boas novas.

Ao chegar no hall de entrada para sair pela porta da frente, pois Mokona acreditava que Xysuke ainda estivesse ajudando no conserto do avião, ela o vê falando com um cara estranho, muito branco, estilo vampirão...  Question 

*Droga, logo agora que eu queria falar com ele...*  Rolling Eyes 

_________________
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Harima Kenji
Sub-Gerente e Sub-Chefe da Guarda
avatar

Libra Dragão
Número de Mensagens : 160
Idade : 29
Emprego/lazer : Programador / Professor
Humor : O de sempre
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Ter Jun 24, 2014 9:04 am

**Ora, Xysuke ainda morava aqui? Será que ele e Mokona finalmente 'andaram' com sua relação?, queria conversar com ele mais tarde, mas como ele foi atender um novo hóspede, achei melhor voltar pra dentro, vou dar uma vasculhada nos quartos pra ver se encontro alguém**

Harima: hmm...tudo tão tranquilo, isso é anormal, depois de tanta coisa acontecer, calmaria demais chega a ser tedioso.

**subo as escadas, o velho corredor dos quartos ainda tem aquela brisa suave do início do inverno (minha estação favorita!) e indo em direção ao meu quarto, reparo numa porta entreaberta**

Harima: oooi, alguém ai?

**sem resposta**

Harima: ora, se me lembro este quarto é da...

**Entro no quarto, está vazio, mas com a janela aberta, a decoração e tudo o mais ainda estava ali, até alguns presentes dele estavam ali, ele ficou feliz, pois faziam muitos anos que não se viam, vou até a janela, me debruço e olho para fora, e mesmo sem ninguém por perto, converso sozinho**

Harima: Ling-chan, sempre gostei da vista do seu quarto... Mas você continua desatenta, sair e deixar a janela aberta assim, alguém pode subir pela árvore...hunf...

**apreciando a vista**

____________________________________________________________________________________________________________

Hikaro: ué, tem alguém na porta...

** Xysuke chega antes para atender, ele também vê Mokona chegando perto dele para falar algo, mas parece que desistiu, então ele se aproxima pelas costas dela, se aproxima e sussurra **

Hikaro: Não se preocupe, Moka-chan, daqui a pouco vocês conversam. :)

______________________________________________________________________________________________________________

** Shujji repara que não havia ninguém no onsen, então, decide que era a hora de um banho, mas ele ainda tinha uma dúvida, claro que só pensou nisso depois que já estava nas termas **

Shujji: será que eu mudei a placa de Feminino para Masculino? reparei que o onsen masculino está com problemas, acho que estão reformando, ah deixa pra lá, se já viram, não vão se assustar, se não, não sabe o que é.

**relaaaaaaaxa e dorme*

______________________________________________________________________________________________________________

**Daphne, mais saltitante que lambari de sanga, continuava a vasculhar o anexo abandonado**

Daphne: com certeza deve ter mais coisas como a que eu achei, só preciso procurar com atenção, já sei! Vou fazer o caminho inverso, vou correndo ao 3º andar e vou descendo, assim minha busca termina na saída!

**Daphne corre desvairadamente escada acima, no 2º lance de escadas, um degrau se quebra**

Daphne: aaaaaaai!

**Mas ela apenas prendeu a perna**

Daphne: Droga de degrau velho, melhor eu ir andan... o que é isso? Estava dentro do degrau, será que caiu aqui? Uma aliança, bem bonita por sinal... ainda está nova, brilhante, mas as inscrições estão velhas, gastas, ah mas é tãaao bonita! Vou usar e mostrar para o Hari-nii! Hora de voltar!

**Sai do anexo, não fecha a porta e vai em direção a pensão**

Daphne: meu braço está meio dolorido...
____________________________________________________________________________________________________

Continuem!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lana Chan

avatar

Leão Coelho
Número de Mensagens : 31
Idade : 30
Localização : Hinata
Emprego/lazer : Ficar em casa
Humor : ¬¬
Data de inscrição : 23/06/2009

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qui Jun 26, 2014 10:19 pm

Apenas um sorriso no canto da boca - Provocativo.
Seu corpo parecia querer descrever o que sentia... Queria falar...
Suas palavras poderiam sair tremidas...
Mas, o que ela poderia fazer, ao encontrar aquela figura que amava...
Incondicionalmente?


- Harima... - Aquelas palavras saiam como sussurros, seus lábios carnudos ainda revelavam o poder de sua sedução. Enquanto ela se aproximava, entrava aos poucos dentro do quarto e ligava aquele velho toca cd's. Não houve mais condições dela falar apenas, demonstrar o que sentia ao bater a porta do quarto e trancar os dois ali dentro.


Sua pequena apresentação, nostálgica, lhe rendeu um suspiro de alívio e um misto de desespero. Lana sorriu, com lágrimas nos olhos, correu na direção de Harima e o beijou como se o mundo fosse acabar naquele dia. Ali mesmo foi arrancando a roupa de seu corpo, sem conseguir respirar direito, o jogou na cama e então...

...
...
...

Off: O que se passou depois no quarto da Ling... Ou o que sobrou dele no final de todo aquele ataque violento advindo de matar a saudade de Lana... Fica para o próximo post... huhuhuhuuhuhhu...

_________________
"Melhor amar e ser amado nessa vida, do que morrer sem ter conhecido o amor!"



"Sou fiel ao meu coração."
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Em busca das armas sagradas
Voltar ao Topo 
Página 2 de 15Ir à página : Anterior  1, 2, 3 ... 8 ... 15  Seguinte
 Tópicos similares
-
» 4º Alteração à Lei das Armas acaba de ser aprovada
» ABC das armas
» Transporte de armas.
» almas das armas desportivas e de caça: quais são as diferenças
» Cofres para Armas

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Hinata Sou ~ Wellcome :: ~ Navegando Na Pensão ~ :: *~* Aventuras Aqui *~*-
Ir para: