Pensionato de loucos... você entra e viaja nas mais loucas aventuras criadas por nossos consciêntes! Baseado na história original de Ken Akamatsu ~ LOVE HINA XD Divirta-se!
 
HallInícioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Em busca das armas sagradas

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte
AutorMensagem
Akane
Finalmente Adolescente o/
avatar

Peixes Cavalo
Número de Mensagens : 63
Idade : 15
Localização : Atualmente Pensão Hinata
Emprego/lazer : ...
Humor : ...
Data de inscrição : 16/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qui Out 30, 2014 4:12 pm



*Akane sentia-se meio que fora de lugar. Todos na peça pareciam se entender, pareciam ser amigos, se amar, se detestar... Mas todos pareciam fazer parte do mesmo todo. Akane sabia que não fazia parte daquele todo. Mesmo sua okasa-san, parecia estar em um outro mundo.

Depois que Akane voltara a vida, e passara um tempo em forma de bebê, crescendo rapidamente, de forma inesperada, seus sentidos eram outros, ela simplesmente parecia estar em outra dimensão, separada de todos. Agora ela ajudava a todos com aquela peça estranha, sobre um macaco que nascera das lágrimas de uma Deusa. Ela mesma sentia-se assim. Ouvira várias vezes Lola contando como fora que ela renascera, mas sem acreditar. Como uma meia demônio podia estar ali novamente, podendo viver? Ironia do destino?

Bem, o que ela sabia naquele momento era que queria viajar para algum outro lugar, viver sua vida, quem sabe conseguisse crescer um pouco mais, para viver como uma adulta livre e desimpedida! Sua vida passada fora cheia de lutas, mortes e sofrimento, e desta vez ela queria aproveitar um pouco os prazeres de ser uma humana. Ela segurou no pingente que tinha no pescoço, e lembrou que aquele vampiro lhe dera como uma proteção, para que ela não sentisse mais as dores horríveis que sentira em seu corpo. Porém assim que ela voltasse para a pensão, iria se livrar daquilo, e esperar que seu corpo crescesse até atingir um tamanho descente. Faria esse sacrifício, para ter uma vida normal.

Olhando Mokona e Xysuke, sentia um pouco de inveja daquele amor. Será que um dia ela sentiria aquilo por alguém? Nem todas as suas lembranças haviam voltado... Será que ela já sentira? Não lembrava... mas tinha esperança de que sim...

Ao fechar as cortinas, depois da peça ter terminado, deixando todos os chineses que a assistiram com uma interrogação gigante em cima de suas cabeças, Akane dirigiu-se para a parte externa do teatro. Não queria ser apedrejada pela platéia!*


_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Harima Kenji
Sub-Gerente e Sub-Chefe da Guarda
avatar

Libra Dragão
Número de Mensagens : 160
Idade : 28
Emprego/lazer : Programador / Professor
Humor : O de sempre
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sex Out 31, 2014 1:08 pm

OFF: hora de despejar!

** o teatro se finda **

Harima: belo espetáculo, esses caras sabem mesmo como relaxar após uma briga daquelas, hunf... vejo que o festival vai fazer suas ultimas apresentações, é melhor eu ir andando para o templo, não quero perder a partida do avião.

** Harima se afasta do festival e anda naquele corredor de árvores que ligava o pátio do festival ao templo da água, porém algo o incomodava, sentia uma presença incômoda, porém familiar, instintos assassinos, mas sem desejo real de morte. Ele para de andar. **

Harima: Sei que estão me seguindo, seja quem for, não continue. Ou terei que ser impiedoso perante a vida de vocês.
???: Harima...
Harima: essa voz...
???: é Harima, papai e mamãe ficaram esperando, acham que eu vou te matar...

** Um vulto salta das árvores e rapidamente me atinge, perco o folego e fico de joelhos **

???: matar o meu irmãozinho mais novo...

Harima: Ryu... Ryu Kenji...

** Olhos negros como a noite, cabelos curtos e vestido de vestes mágicas de Kansai, Ryu era tudo que eu quis ser um dia, até o momento em que ele entrou nesta maldita escola de magia... **

Ryu: Vejo que está aproveitando a viagem, maninho, papai, mamãe eu estamos aqui para te dar um recado.
Harima: Eles estão aqui também, desde quando Kansai passou a ter a maioria Kenji?
Ryu: meu desinformado maninho, nós somos Kansai, desde sempre, você foi o primeiro a não ser, mas era triste demais achar que você era o errado da família, então nunca te contamos.
Harima: minha família é uma da família de magos fascistas e assassinos? Quem dera ter sabido antes para te-los matado logo.
Ryu: outra razão para escondermos de você.
Harima: se vocês soubessem o mal que já causaram...
Ryu: eu sei! hahahaha já disse, o desinformado aqui é você e seu precioso cajado está conosco, maninho.
Harima: para quê...
Ryu: revivermos o Life Marker, a criação da magia foi um problema e vamos concertá-lo, o Life Marker achou que magos e pessoas comuns poderiam conviver, e olha no que deu, se o revivermos ele destruirá a todos e restará apenas nós, os especiais!
Harima: você está se ouvindo! matar a humanidade por alguns poucos que tem poderes?
Ryu: Está avisado, Harima.
Harima: E espera que eu vá até Kansai? Ir até Gales novamente?
Ryu: Esperava que eu tivesse trazido o cajado, sabe de nada, inocente!

** Ryu some nas árvores **

Harima: lasqueira....

** Harima chega ao templo, um dos dobradores vai recebê-lo **

Dobrador: harima-san...eu poderia
Harima: pro inferno! some!
Dobrador: ara... por que ele está tão nervoso?

________________________________________________________________________________________________________________

** após o fim do teatro, Daphne vê Akane se escondendo e vai falar com ela **
Daphne: apedrejada? não contaria com isso Akane-chan, por sinal, você viu quem estava te assistindo?deve fazer tempo que você não vê os meus irmãos, Harima-san já foi pro templo, mas Shuuji-nii ainda está por a.. ah olha ele aí.
________________________________________________________________________________________________________________

** Shuuji nem sabia do que se tratava a peça, ainda estava encucado, como diabos ela veio parar ali? será que a louca da Makie forçou ela?
bem... ficara feliz mas, Akane estava visivelmente mais nova, o que aconteceu? **

Shuuji: eu vou lá falar com ela, hmm. olha só, acho que ela vai gostar disso... ** Paga ao dono da barraca e segue caminho **

** Me aproximo. Nervoso, como será a recepção, o que digo... oi? ou talvez: e ai?... isso é mais dificil que derrotar Metatron! Ja sei **

Daphne: ah olha ele aí.

** Parado atrás dela, coloco e prendo o colar em seu pescoço, nela um pingente em forma de uma asa de anjo, em mim, a outra asa sendo usada como brinco. Sinto como se ela estivesse estática, mas o máximo que consegui dizer foi... **

Shuuji: oo.. oi... Akane-chan. Você gostou?
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Xysuke
~ Chefe da Cozinha ~
avatar

Leão Coelho
Número de Mensagens : 481
Idade : 30
Data de inscrição : 10/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qua Nov 26, 2014 6:00 pm

OFF:

Depois de muito tempo enrolando, resolvi desistir de fazer a terceira parte da peça.

Tentei mobilizar o pessoal pra fazer um mega post conjunto, mas não rolou. Um pouco por falta de disponibilidade de alguns, outro pouco por falta de vontade, que tu percebe quando tu é o único que tá realmente afim de fazer o negócio.

Enfim...

Não é correto com os demais membros do fórum ficar amarrando o tópico e impedir a história de continuar por causa de um negócio que até agora ainda não está bem definido.

O Cris já resolveu tocar o foda-se e seguir a história dele, e com toda a razão.

Só posso pedir desculpas ao pessoal que contava com esse post (em especial ao Cris, que me mandou mp cheio das expectativas, e ao Az que tá conduzindo a história, mas apesar disso sempre respeitou a política dos "turnos" em prol da participação ativa de todos)...ao menos por enquanto, vou ficar devendo esse post a vocês.

Não gosto de saber que estão esperando por mim, que algo está empacado por minha causa. Tava me comendo de dentro pra fora ficar devendo isso pra vocês até não sei quando. Já que não caguei, libero a moita, pelo menos.

Peço desculpas também pela frustração....depois de semanas, meses, esperando, ao invés de eu vir com um post que faria valer a pena a espera, jogo esse balde de água fria na cabeça de todos, dizendo que não vai mais rolar.

Pelo menos é melhor do que deixar o fórum mofar mais uma vez, depois de finalmente termos trazido ele de volta à ativa.

Vamos seguir a história normalmente, sem a terceira parte da peça. Essa é a minha decisão. Opiniões e sugestões são bem-vindas.

Obs.: os próximos a postarem podem fazer que nem o harima e a akane, que iniciaram seus posts considerando que a peça já acabou.

_________________
https://www.youtube.com/watch?v=9A9NLW8FJ1w

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Harima Kenji
Sub-Gerente e Sub-Chefe da Guarda
avatar

Libra Dragão
Número de Mensagens : 160
Idade : 28
Emprego/lazer : Programador / Professor
Humor : O de sempre
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qui Nov 27, 2014 12:02 pm

Apenas um off:

Relaxa Xy, o teatro era algo legal, realmente, mas acabou não rolando por uma série de fatores, o importante é mantermos o negócio na ativa e seguir adiante pra não deixar o negócio esfriar.

Eu sei que fim de ano é complicado, trabalhos de faculdade, empregos com horários diferenciados e obrigações familiares muitas vezes comem o tempo e até a vontade de postar, sei que após esse período de festividades, a tendência é tudo se normalizar.

Também peço que lembrem do real motivo de existir este lugar, a vida por si só já é um lugar sufocante, e se não fosse minha mulher e filha, eu sinceramente acharia o mundo um saco, porém este lugar existe para sermos o que quisermos, para poder resolver qualquer problema independente da situação, pra criar coisas e deixar sair toda nossa raiva do dia-a-dia para se tranformar em um vilão pronto para ser humilhado e aniquilado por nossos 'overpowers', ser aquilo que sonhamos um dia nem que sejam por meros 20 minutos.

Acho q é só isso, e sim, tenho grandes expectativas com o resto da aventura! Very Happy Várias coisas mirabolantes na cabeça Very Happy
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Akane
Finalmente Adolescente o/
avatar

Peixes Cavalo
Número de Mensagens : 63
Idade : 15
Localização : Atualmente Pensão Hinata
Emprego/lazer : ...
Humor : ...
Data de inscrição : 16/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Seg Dez 01, 2014 8:39 am

*Akane caminhou para longe do palco, mas percebeu que outras pessoas estavam indo para o mesmo lugar que ela. Ficaria por ali a esperar que todos se reunissem, e que dessem um rumo a vinda inesperada delas. Ela tinha alguns flashs de memória, algumas vezes tinha total discernimento, outras sentia-se sua mente com a idade que o corpo tinha naquele momento. Sabia que tinha feito muito feio em insistir de ir escondida no avião, naquela viagem perigosa, e em alguns momentos sentia vergonha, e em outros ficava braba por motivo algum.

Ela sentiu alguém atrás dela, e ficou paralisada, sem saber o que fazer. Se fosse em outro momento, teria se virado rapidamente, ficando em posição de luta, mas naquele momento seu cérebro estava com problemas de wireless, e não notou a chegada da pessoa que lhe colocava algo no pescoço e lhe falava às costas:*

Shuuji: oo.. oi... Akane-chan. Você gostou?

*Akane virou para ver quem era, e franziu o senho. Aquele rosto não lhe era estranho... mas não sabia exatamente quem era. Ela abaixou o rosto para ver o que tinha ganho. Era um pingente lindo! Olhou novamente para o rapaz a sua frente, e viu que ele tinha o mesmo pingente em forma de brinco...*

Akane: - Ahhmmm me desculpa, mas eu conheço você de algum lugar?

(Shujji -->  lol!  cold  tap  jocolor  :ô.ô: )

Akane: - O pingente é lindo... mas... porque me deu? Question

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Harima Kenji
Sub-Gerente e Sub-Chefe da Guarda
avatar

Libra Dragão
Número de Mensagens : 160
Idade : 28
Emprego/lazer : Programador / Professor
Humor : O de sempre
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Seg Dez 01, 2014 3:03 pm

** não vou movimentar harima, apenas um movimento entre ele e shuuji, antes disso, ele voltou ao templo, profundamente irritado e foi até uma cachoeira pra ficar pensando no que aconteceu, no mais vou respeitar os turnso e ver os próximos movimentos pra poder direcionar as proximas ações **

** Para Daphne, vale o mesmo sobre os turnos, vendo que akane e shuuji estão conversando ela decide que está de vela e sai dali, voltando ao Templo, mas vai para seu quarto onde já prepara as coisas na mala, caso precisem seguir viagem com urgência. **

** Mas já que houve movimento de akane, shuuji irá falar! **

Akane: - O pingente é lindo... mas... porque me deu?

Shuuji: ororo? pera... não se lembra que sou eu? Shuuji. Shuuji Kenji. o irmão mais novo do Harima.

Akane: não, nada me vem à cabeça no momento.

** Shuuji também não sabia o que acontecera, afinal ele ficou longe por muito tempo! era visível que Akane parecia mais nova do que na aventura anterior, mas ela tinha tantas capacidades de transformação que não sabia o que estava rolando, se era sério ou uma brincadeira, ou pior! era isso! Akane não o queria por perto! talvez ele tenha interpretado errado e ela não gostasse dele afinal, era isso, ela estava sem jeito de falar pra ele! então ele se limitou a dizer, completamente sem jeito. **

Shuuji: em..bem... a gente já se conhece, deveria lembrar, mas eu entendo, não sou tão memorável quanto meu irmão... bem... espero que tenha gostado do pingente e... se for conosco,... a gente se vê no caminho..., é... no caminho, então..bem..., tchau.

** meio andando de costas, ele toma seu caminho até perceber que poderia andar normalmente, seguindo seu caminho ao Templo, e com um misto de indignação, por que ele é tão inútil? o resto dos amigos ainda ao menos sabia seu nome e aturava o fato dele estar ali, mas ela nem ao menos isso? estava bastante chateado, nisso vê Harima, e aí o sangue ferve, e os dois armam um barraco ali no templo **

Shuuji: Ahhh olhá só quem está aí?! O Sr. Fodão! Vamos fodão! medita mais um pouco como salvar o mundo e botar pra quebrar! Por que não partir a cachoeira em dois?!

Harima: O que foi moleque? ta irritadinho por que? O que eu te fiz?

Shujji: Ah! cala a boca!

Harima: Não enche!

Shuuji: Ai que medo! Vê se não torra! é tudo culpa sua! e vê se não fica muito perto de mim!

Harima: por mim tudo bem! que foi? tomou mais um fora pra coleção, hein? ta putinho, vê se me erra, já tenho muita coisa pra pensar!

** Harima perde o controle, devido a crítica situação de seu interior corrompido e bate em shuuji impiedosamente, shuuji, acaba parando dentro do quarto de um monge, e shuuji estava visivelmente machucado **

Harima: antes que eu faça algo pior, saia de perto! se você me importunar novamente eu juro! Juro que dou um jeito de mandar de volta ou acabo contigo!

Shuuji: você tem vergonha de mim!

Harima: nesse momento eu nem gostaria que você fosse um kenji!

Shuuji: que assim seja.

** Shuuji entra em seu quarto e prepara suas malas **

** Harima num surto de revolta entra floresta a dentro para se acalmar **
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Akane
Finalmente Adolescente o/
avatar

Peixes Cavalo
Número de Mensagens : 63
Idade : 15
Localização : Atualmente Pensão Hinata
Emprego/lazer : ...
Humor : ...
Data de inscrição : 16/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Seg Dez 01, 2014 5:28 pm

*Akane esperou por Makie, Mokona e Xysuke, que eram as pessoas que ela conhecia que estavam ali. Pelo que ela tinha entendido das conversas rápidas, antes de fazerem a tal peça de teatro às pressas, era que eles tinham sido derrubados por dobradores da água... Imaginação de Akane: *



*E tinham lutado com os caras, e depois fizeram as pazes, e agora eles estavam aguardando para retornarem à viagem de avião. Akane queria pedir desculpas a todos, estava sentindo-se mal por ter feito aquilo tudo. Ela viu Makie, Mokona e Xysuke, saindo pela parte da frente do teatro, e foi atrás deles. Ela chegou perto de Makie e puxou a barra da blusa dela, com cara de cachorro que fez cocô em cima do fogão...*

(^^)

Akane: - Makie-chan... eu... queria pedir desculpas por ter tido aquele piti... e colocado a gente nessa situação... err... eu... não estou dentro da minha normalidade... se é que isso existe... Parece que sou outra pessoas às vezes... então... GOMENASAI! (oi)

Makie virou e olhou pra ele muito séria, depois deu um sorrizão de lado a lado, e a abraçou, até saltarem os olhos.

Makie: - Tuuuuuuuuuuuuuuuudo bem! Graças a você estou em uma aventura SUPER-MEGA-HIPER-LEGAL (vitoria) (viva)

Mokona: - Ok, senhora SUPER-MEGA-HIPER-LEGAL... vamos para o templo logo, antes que o pessoal vá embora sem a gente! - Ela olha para o teatro. - Não vi nem a Lola nem aquele outro carinha que estava com ela... Bem, vamos andando... Ela sabe o caminho...- Ela olha para Xysuke - Vem conosco Xy-kun?

*Enquanto caminhavam, Akane ia pensando onde vira o rosto daquele rapaz bonito que encontrara no teatro, e lhe dera aquele pingente que agora segurava com uma das mãos... Ela queria muito lembrar... muito... *

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Makie-chan

avatar

Peixes Galo
Número de Mensagens : 45
Idade : 24
Localização : Atualmente Pensão Hinata
Emprego/lazer : Estudante / Ginástica Ritmica
Humor : Sempre de ótimo humor!! ^.^
Data de inscrição : 25/08/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Ter Dez 09, 2014 5:58 pm

*Makie ainda tentava entender o que tinha dado errado em sua grande e incrível peça teatral! Ela tinha certeza que todos os papéis estavam corretos, que tinha alinhado as falas de uma maneira sutil, em que o Macaco teria um romance com a Porca, que por sinal odiava a Ogra, que parecia apaixonada pelo Monge... Tudo isso com uma pitada de comédia, tinha ficado no mínimo interessante.

A platéia ficou com uma cara de...

Rolling Eyes Rolling Eyes Shocked Shocked panic panic cherry cherry hhh hhh pru pru nhu nhu

Que ela não conseguia entender...

Pois bem, tirando uma agenda de sua bolsa, ela riscou de uma lista infinita o nome "Diretora Teatral", abaixo de "Devoradora de facas". Ela tinha tantas idéias, e tantas vontades, que tinha feito uma lista de todas as profissões possíveis, e um dia ela encontraria a sua! Procurando por um banheiro, Makie saiu do Teatro. Como uma ninja, ela se escondeu atras de um poste, pois notou Akane e um rapaz (parecido com o tal Harima), que conversavam ali perto.  



Ahhh Akane, arrasadora de corações... com seus (pelo tamanho) 12 anos, e já arrancando suspiros do homeriu! Makie daria o maior apoio se ela gostasse dele! Quando estiver mais velha (e ela ainda não entendia como ela crescera tão rápido) vai ser ainda mais linda!
Ela não ouviu muito bem o que eles conversavam, e reparou que o rapaz já estava indo embora, e tratou de sumir, pra que Akane não soubesse que ela tinha visto os dois juntos.

(hehe)  (hehe)  (hehe)  (hehe)  (hehe)  (hehe)


Ela quase esbarrou em Mokona, que conversava com Xysuke na frente do teatro. Ela ainda precisava de um banheiro, e ficou olhando pros lados tentando encontrar algo parecido. Uns minutos depois, ela sentiu alguém puxando a barra de sua blusa. Era Akane. As palavras de pedido de desculpa dela a deixaram com o coração cheio de coraçõezinhos fraternais, com a carinha da Akane...

Depois do afofamento, e da crescente vontade de ir ao banheiro, eles partiram para o tal Templo onde estavam hospedados, liderados pela Deusa Athena... digo Mokona... Para chegar no Templo, eles passaram por um vale lindo, cheio de árvores e pássaros, iluminado por lanternas, que deixava o lugar ainda mais mágico. Eles passaram por uma fonte, muito bonita, a água límpida saindo do meio de algumas rochas. Caminharam mais um pouco e o barulho de água ia aumentando. Akane ia informando que ela tinha ouvido do tal Ali Lá Akola, que Mokona-chan tinha falado pra ela, um pouco antes do teatro começar, pois Akane não sabia quem era aquele homem árabe, que tinha poderes tão incríveis.

Makie tinha reparado no tal Ali, lá na pensão mesmo, e depois ali, com a menina, Talim, ajudando o teatro. Achou o cara legal, parecia boa gente.

Saindo da floresta do morro que separava a cidade da região do tal Templo, Makie vislumbrou um enorme lago, e o barulho forte de água vinha de todos os lugares, pois eles estavam circundados por muitas cachoeiras de todos os tamanhos. Makie parou de caminhar por um minuto, aumentando o autocontrole, pois PRECISAVA MIJAR IMEDIATAMENTE!

Akane: - Makie, tá tudo bem? Cansou de caminhar até aqui? - Akane se aproximou dela, preocupada...  - Quer descansar, tomar uma água?

Makie: -   (triste)  

Mokona: - Vamos lá gente, estamos quase chegando! É lá naquele prédio, estão vendo?

Makie olhou pra onde Mokona apontava e não achou que era perto.

Makie : - Eu consigo... só não... precisava... ter... tanta... água...    (=S)

Eles caminharam mais uns 20 minutos, e Makie queria chorar... Entrando no templo, silenciosamente, Mokona levou as meninas para o quarto onde as garotas estavam hospedadas.

Makie: - Moka-chan, onde é o banheiro?  (snif)

Mokona: - Siga reto, dobre a direita, depois do espelho da parede, lá tem um banheiro.

Makie foi andando, se apertando, e quando chegou no banheiro viu-se em um cômodo com um buraco, onde tinha uma correnteza que passava por baixo do que seria o chão do lugar. Ela não queria nem saber, abaixou as calças e se aliviou... Finalmente toda aquela água tinha ido embora! ô desgraça...   (^^)  (suor)

Aquela noite ela dormiu, mas teve pesadelos com muitos e muito vasos sanitários...

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Xysuke
~ Chefe da Cozinha ~
avatar

Leão Coelho
Número de Mensagens : 481
Idade : 30
Data de inscrição : 10/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Ter Dez 09, 2014 10:54 pm

- Xy: Caraca, que sede...

A longa caminhada de algumas horas, do vilarejo até o templo, tinha deixado Xysuke com sede. Para sua sorte, água é o que não faltava no...Templo da Água...

https://www.youtube.com/watch?v=vcdZJkojA5Y

Xysuke pegou uma caneca em sua mochila e procurou algum lugar onde pudesse achar água para beber. Encontrou, um pouco afastado de um dos corredores cobertos que interligavam as seções do interior do templo, um pequeno córrego com água passando a uma velocidade relativamente elevada, quase um pequeno riacho.
A sede era tanta que Xysuke nem pensou muito, simplesmente caminhou até lá, colocou sua caneca com estampa de Mokona dentro da água corrente, encheu até a borda e tomou em grandes goles.

- Xy: Gulp, gulp, gulp....ahhh....meio concentrada, mas acho que tá de boa...devem ser os sais minerais...deve fazer bem pra saúde.

Xysuke disse isso e continuou bebendo com vontade, enquanto voltava para o corredor. De repente, Makie surgiu por detrás da porta de uma das salas que havia perto dali e passou por ele.

- Makie: Ufa...achei que fosse explodir...pode usar o banheiro, Xysuke-kun, é logo ali - aponta - e acho que é unissex. Não precisa dar a descarga, passa um córrego logo abaixo do piso e leva tudo embora ^^

Xysuke observou a salinha para onde Makie apontava, e observou que o córrego de onde ele coletou a água passava por baixo justamente dali.

...

...

...



...

...

...

...

...

...


_________________
https://www.youtube.com/watch?v=9A9NLW8FJ1w

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Harima Kenji
Sub-Gerente e Sub-Chefe da Guarda
avatar

Libra Dragão
Número de Mensagens : 160
Idade : 28
Emprego/lazer : Programador / Professor
Humor : O de sempre
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qua Dez 10, 2014 2:27 pm

** Seu irmão lhe tirara do sério, onde já se viu? que culpa ele tinha nos problemas dele? Shuuji ainda era muito imaturo, apesar de que via em seu irmão mais novo a si mesmo mais jovem, quando ele aprontou algumas confusões por causa de Ling e Lana **

Harima: Baka! Eu realmente preciso me acalmar.

** Chego até uma das maiores cachoeiras que já vi, era realmente algo enorme, algo que era dona de uma imponência aterradora **

Harima: uau. isso é... impressionante. Eu nunca tinha visto algo assim. isso não é uma cachoeira normal.

** Coloco a ponta de meu pé na água, com a intenção de entrar, meu corpo congela. **

Harima: ARA?

** Vejo um clarão e fecho os olhos, atônito a tudo isso fico tentando imaginar o que está acontecendo, nisso escuto uma voz que deu um aviso mais do que imponente **

???: Louco! Volte neste exato minuto! Sem seu irmão seu corredor jamais será limpo! E você está para perdê-lo agora mesmo!

** O clarão some e como meu pé estava apoiado na água, caio com tudo dentro da cachoeira, me levanto logo e corro na direção do Templo **

Harima: Shuuji! merda! o que está havendo?

** Ao chegar no templo, abordo um dos monges **

Harima: Cadê o meu irmão!? AGORA! AGORA, PORRA!!

Monge: Este monge viu o seu nii-chan saindo do Templo ha alguns minutos.

Harima: é isso! ele não pode se afastar! Shuuji! Pelo amor de Deus, não vá embora! Cadê você!?

** Saio correndo floresta a dentro **

_____________________________________________________________________________________

**
Pra mim esta tudo decidido, Akane não lembrava mais de mim, Harima tinha vergonha de mim, eu estava apenas estorvando todo mundo e precisava parar de atrapalhar, conversei com o mestre, e ele me disse que se eu me afastasse do templo há uma certa distância, não poderia mais encontrá-lo, preparei minhas malas.

Reparei que mokona, akane, makie e xysuke chegaram ao templo e me escondi para que não me vissem, mas não poderia deixar de olhar Akane uma última vez, mesmo que de costas, ela ainda se vira, como se me visse, mas felizmente não viu, e só então prestes a perdê-la é que eu pude notar a sua beleza, eu realmente não sei o que houve, mas para mim ela sempre seria aquela Akane, independente da aparência.

Ao se afastarem, peguei o caminho da frente do templo e entrei floresta a dentro, tentando imaginar qual seria a distância que o mestre lhe falara, estava de noite e bastante frio, e enxergar estava cada vez mais difícil, topo em algo que parecia uma placa, mas era estranho, afinal, estava no meio do mato,ao levantar a placa do chão, leio suas instruções: 'ESSA É A SUA DISTÂNCIA, APENAS MAIS UM PASSO'.

Percebi o que queria dizer, mais um passo e tudo acabaria, seus dias de Hinata Warrior terminariam, sentiria saudades, mas era o melhor para todos, pego minha mala, paro diante da placa, e ergo meu pé para o passo derradeiro, sem olhar para trás.
**

Shuuji: sayonara...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Akane
Finalmente Adolescente o/
avatar

Peixes Cavalo
Número de Mensagens : 63
Idade : 15
Localização : Atualmente Pensão Hinata
Emprego/lazer : ...
Humor : ...
Data de inscrição : 16/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qua Dez 10, 2014 5:13 pm




*Akane deitou para dormir um pouco, no quarto onde as meninas da Pensão estavam hospedadas. Makie deitou ao lado dela, e em 5 segundos já roncava... Ela deitou e fechou os olhos, imaginando se conseguiria dormir tão rápido...*

..............

..........

.....



Akane: - Shujji-kun... - Akane pegou a mão dele - Eu preciso que você me ajude. Eu vou sumir por alguns momentos, e preciso que alguém me mostre o caminho - ela coloca na mão dele um colar, com um pingente. Era uma pedra vermelha de um brilho muito bonito - Quando você sentir que esse pingente está pulsando, pense em mim, e eu conseguirei ver o caminho de volta pra cá... - Ela para, olha nos olhos dele, e percebe que ele é uma pessoa que ela poderia confiar seus segredos... - Esse pingente contém minha essência Humana... Quando estou na forma humana, minha essência de demônio fica nessa pedra, e quando me transformo acontece o contrário... Eu preciso buscar uma certa coisa, e você vai servir de guia pra mim!!!  - O barulho de lutas e explosões era muito alto, ela tinha que quase gritar para que ele a ouvisse.

Ela levanta e se afasta um pouco dele, e começa a recitar umas palavras em uma lingua que ele não entende, e uma sombra negra começa a aparecer nos pés dela.

Akane: - LEMBRE-SE... quando pulsar, pense em mim, chame meu nome, que verei o caminho de volta!

A sombra fica maior e Akane começa a descer pra dentro dela, e some totalmente, como que tragada pela escuridão!


........................

................

............


*Akane abriu os olhos de supetão, respirando muito rápido. Sentou-se na cama, tentando se localizar. O que era aquilo? Que lembrança fora aquela? Aos poucos muitas coisas vieram em sua mente, e ela se viu segurando o pingente de asa que o rapaz, Shuuji, o mesmo de suas lembranças, lhe dera de presente. Junto dele, em outra corrente, estava o pingente com o sangue de vampiro que controlava as dores do crescimento de seu corpo, e mesmo sem saber como funcionava direito, ela permanecera usando-o.

Ela sentiu algo ruim, uma agonia em seu peito, e sua mente não deixava o rosto de Shuuji sair de seus pensamentos. O Shuuji das lembranças, e o Shuuji de agora, um pouco mais velho... Ela levantou-se e foi tentar localizá-lo... precisava saber se ele estava bem, mesmo ainda não lembrando muito... Sabia que ele era importante pra ela, e não queria deixar pra depois.

Ela não conhecia o local, e foi se esgueirando, chamando por ele, sussurrando seu nome pelos cômodos. Mas não, ele não estava ali. Ouvindo o barulho da água, ela procurou a saída do Templo. Quanto mais alto o barulho, mais próxima da saída estaria. Lá fora era noite, estava frio, e ela começou a lembrar do rosto dele no momento em que ela, com o pingente que ele lhe dera, na mão, lhe disse que não o conhecia... Que dor que ele sentiu ao ouvir aquilo... Agora ela entendera o que era aquele semblante de quase desespero... Agora quem entrava em desespero era ela. Queria tirar aquela visão de sua mente, aquela dor de dentro do seu peito, precisava pedir desculpas e dizer a ele que lembrava dele... pouco, mas lembrava.

Lhe faltava o ar, e não só pela agonia, mas porque corria, corria em uma direção sem saber porque, mas seguia seus instintos.

Akane: - SHUUJIIIIIII.... SHUUJIII-KUUUNNNNN... - em meio a floresta, Akane gritava por Shuuji... já não era mais ela, era alguém que vivia dentro dela, e saia no seu momento de desespero... - Shuuuujiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!


Tentando não tropeçar no chão da floresta, nem ser arranhada novamente por galhos mais baixos, Akane seguiu caminhando na direção de onde ela sentia que Shuuji estava. Depois de um certo tempo, ela ouvir um sussurro, como alguém falando ao longe. Mais alguns passos e ela ouviu alguém sussurrar seu nome. Será que Shuuji estava bem? Será que ele tinha se machucado? Ela correu mais ainda, e sem saber, passou do limite do Templo da Água, onde a proteção era suprema.

Ao ouvir folhas de árvore se mexendo à sua direita, Akane se aproximou, chamando o nome de Shuuji...

Akane: - Shuuji-kun... é você?

Mas não ouve resposta. Estava muito escuro, porém Akane ainda conseguia vislumbrar alguma coisa na escuridão. Duas sombras estavam se aproximando dela, e não pareciam ser amigas. Elas foram rápidas demais, e seguraram Akane, um de cada lado.

Akane: - Kyaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!! Daskete!!! Shuuji-kun, Dasketeeeeeeee!!!

Ela lutava em vão para livrar-se das sombras que a arrastavam ainda mais para longe do limite do Templo.*

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Harima Kenji
Sub-Gerente e Sub-Chefe da Guarda
avatar

Libra Dragão
Número de Mensagens : 160
Idade : 28
Emprego/lazer : Programador / Professor
Humor : O de sempre
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qua Dez 10, 2014 5:57 pm

**

OFF: antes que role um 'nossa a batalha acabou em um post', já adianto: o shuuji venceu fácil para:
1 - salvar a akane, óbvio, e assim mostrar a sua fodicidade (isso existe?).
2 - salvar o harima, pq é da família (tava no pacote, kkkkk)
3 - acabar pra poder deixar o pessoa terminar de aprender o que queria e seguir viagem de uma vez! kkkkkkkkkk

**


**Harima não encontra Shuuji em lugar algum, seu desespero atingira todos os limites e ele acidentalmente sai dos limites do Templo **

Harima: merda! eu saí do templo! agora eu tenho que... GWAH!

** harima é arrastado para as sombras **

Shuuji: sayonara...

** Dou o passo para fora e está muito escuro, mais do que lá dentro, como se a luz da noite não penetrasse nessa parte da floresta, instintivamente aguço meus sentido para repelir qualquer ameaça **

Shuuji: tem alguma coisa errada por aqui...

** Meu coração congela, ouço uma voz ao longe **

Akane: - Kyaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!! Daskete!!! Shuuji-kun, Dasketeeeeeeee!!!

Shuuji: AKANE! é ela!? o que ela faz fora do templo?!

** Corro. simplesmente corro em direção da voz, não havia tempo para pensar, tinha que achá-la a qualquer custo! estávamos nos afastando do templo e vejo que isso era premeditado, vejo algumas sombras na escuridão e penso comigo mesmo **

Shuuji: ok, são bons no escuro preciso dar um jeito de iluminar este local...

** Nisso uma das sombras me agarra, e finalmente vejo Akane e ...Harima? ambos sendo levados pelas sombras até se perderem na densa noite. **

Shuuji: Harima! AKANE! AhhhhhhhHHHHHH! SAI!

** Como se quisesse brincar comigo, a sombra me solta e saio feito louco a correr novamente, as árvores estão cada vez mais altas e cada vez mais escuro **

Shuuji: Não me resta escolha, vou ter que lutar! HA! Para cima!

**Shuuji salta muito alto, através dos galhos vai ganhando altura até ultrapassá-las, segue seu caminho sem interrupções até avistar as sombras se movendo entre as árvores **

Shuuji: OK. Toooooooora.........

** Shuuji salta mirando estar na frente das sombras **

Sombra 1: cadê o garoto?
Sombra 2: não sei, vamos seguir cami...BLERGH!

** Shuuji cai no chão com força, rachando-o e derrubando as árvores próxima, tendo luz o suficiente para ver seus oponentes, eu levanto como se fosse a coisa mais normal do mundo, bato a poeira do ombro(pro recalque passar longe - NAAAAAAO) e digo: **

Shuuji: Vocês tem 3 segundos para soltar os Dois, meu irmão e minha nam.. tsc,amiga, além do mais não imaginava mais monges dobradores por aqui.

S1: Somos manipuladores da natureza, podemos controlá-la a nosso bel-prazer garoto.
S2: Se não quiser se machucar, é melhor parar de bancar o herói, ou então, seu irmão e a menininha podem se machucar.

Shuuji: apenas ousem fazer isso, e pagarão.

S1: será mesmo? **manipula um galho em forma de agulha** seria uma pena ver uma menina tão bonita sangrar. ** arranha o pescoço de Akane, onde verte um pequeno fio de sangue **

Shujji: omae... ** cerra os punhos **

S2: Chega disso! Vamos amigas, peguem-no! Jááá!

** vários galhos tentam me acertar como agulhas, um erro e eu estaria morto! por isso fui me desviando, mas não era grande coisa **

S2: insolente, está brincando conosco? eu vou mandar o... gwaaaaah!

** Duas árvores grandes seguram a sombra pelo pescoço, enquanto retirava Akane das mãos do outro e o prendia ao chão **

S1: Maldito! como aprendeu isso?!

Shuuji: ** com olhar confiante ** digamos que me deu vontade de... copiar.

** estalo os dedos, as árvores trazem akane e a deixam em meu colo, faço um afago nela e coloco atráz de mim, enquanto harima é deitado mais atrás **

Shuuji: você pode não se lembrar de mim, mas eu sempre estarei aqui para te proteger.

** Harima, meu irmão, seu ataque mais forte vem deste sentimento? é por isso que eu nunca aprendia? **

** Shuuji solta as árvores das sombras **

Shuuji: sou justo, e sem as sombras so lhes restam me atacar diretamente, sou um mago, e é com magia que irei derrotá-los.

** encaro-os **

Shuuji: KOI! (venham!)

** eles saem em um ataque desesperado, sem estratégia e sem força, não podia subestimar, iria respeitar seu desejo de luta e não se segurar **

Shuuji: nunca mais me incomodem, e se algo acontecer a Akane mais uma vez matarei o resto de vocês, pois seu destino JA ESTA SELADO!

...

...

...

RAS TEL MA SCIR - MAGISTER - STAR REVOLUTION!


** ambos caem de joelhos e são consumidos pela força do ataque, a luz emanada é vista de longe e pela primeira vez ele sabia que havia feito as duas coisas que mais queria: chegar ao nivel de seu irmão e proteger a pessoa importante para ele. **

** Shuuji se volta para Akane, se aproxima, toca em seu rosto e diz. **

Shuuji: apenas gostaria que se lembrasse... mas se não for possível **abraça-a**, eu revivo cada momento só pra ficar perto de você.

Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lola Chan

avatar

Escorpião Cabra
Número de Mensagens : 37
Idade : 25
Localização : Tóquio
Emprego/lazer : Treinar no dojo
Humor : ¬¬
Data de inscrição : 23/06/2009

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sex Dez 12, 2014 12:10 am

Off: Peço desculpas pela demora em postar, pois, ando meio zumbi ultimamente, fim de semana este, irei trabalhar no shopping... x.x Bem, não foi culpa de ninguém, a idéia era fazer algo assim na história, espero que o mano apenas aceite este detalhe. Segue abaixo.
_____________________________________________________

Resumão do CAPETA...

O festival foi uma loucura a lá Makie, eram falas trocadas, posturas erradas, um show de comédia na realidade. Em um momento fatídico da peça, o qual finalmente após um certo tempo de espetáculo, os personagens centrais encontram o "Bastão do rei Macaco" que o trás é a Ogra, consequentemente, a Lola.

Lola vem caminhando com sua cara de "Que merda eu tô fazendo aqui?" e entrega nas mãos do rei Macaco (Xysuke). O que acontece a seguir é mais ou menos isso com o Xysuke...

Somente o pastor Zangieff!

*Música de batuque de fundo*

Face lola:  Question   What a Face   panic  

Naquele momento, enquanto ele passava por aquela provação, Lola desviava de seus golpes.


-  Xysuke!!! ENLOUQUECEU? - Xysuke parecia realmente o rei macaco daquele filme do Jet li com o Jack chan bem enlouquecido, tentando lutar com a Lola do nada.

Enquanto o cenário era literalmente destruído, o único meio era AQUELE...
Lola se colocou em postura de ataque, Mokona apavorada começa a pedir que ela não o ataque, que o amor deles iria resolver tudo, mas, naquele momento ele parecia tão descontrolado, que Lola não pensou duas vezes...

-  PELA HONRA DE CANABAN HINATA SOU... NARUTOKOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!


O punho direito de Lola, queimava, fazia muito tempo que ela não aplicava o golpe milenar da família. Ela cansada acaba caindo no chão.

Suspect

- O... Único... Meio... De... Fazê-lo... Parar... ~~Ah... - Desmaia.  dead  

Quando Xysuke aterrisa NO COLO DA MOKONA LEVE COMO UMA PLUMA (Sim bem leve)... Ele meio que fica tremilicando um dos olhos e fala algo como se tivesse lembrado de alguma localização do real bastão. Alguns momentos depois de agir feito o macaco do filme do Jet Li e do Jack chan, ele para, e volta a normalidade como se nada tivesse acontecido. E realmente por fim a platéia ficou com caras e bocas para aquela apresentação a lá loka.

~~~~~~~~~~~~~~ Algum tempo depois.......

Lola acorda no meio de uma praça, arrastada por Zhero, ela acorda assustada com sua roupa toda estrupiada, com a cara de Mei Lin quase colada na sua.

-  Ahhh! - Assustada. - Onde eu tô?

Mei: - Lola chan... ó.ò você tá bem?

Lola: -  Sim, eu... Acho...

Mei: - O Zhero foi comprar uma água para você, hum... - Abraça Lola feliz.

Lola: -  Que foi??? - Vermelha.

Mei: - Muito obrigada pela ajuda! Assim que vocês sairam do palco, as pessoas pediram biz, depois de rirem sem parar.

Lola: -  Hum... Ok... Ahm... Por acaso você viu para onde todo mundo foi?

Mei: - Não... Mas, vi a menina ruiva com um cara bonito! ^^

Lola: .................................................................................................................................................

Uma aura negra toma conta do corpo de Lola, ela abaixa a cabeça, e começa a rir meio louca, seus cabelos negros viram os da medusa, e como tudo tem a ver com o kami dela, uma cobra aparece como tatuagem rasgando seu corpo.

Mei: lol!  pru  What a Face   - Lo... Lola chan? Fa-falei algo errado?

Lola: -  AKANE É MINHA FILHAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!! VOU MATAR O IMBECÍL, INERGUMINO, FILHO DO KAKAROTO CAPIROTO, CABAÇO, DESGRAÇADO, COMEDOR DE CABRA, CHUPADOR DE UBRE E ESTE VAI TER QUE CONHECER A MINHA IRA!

Mei: *Vai saindo de fininho chorando* PAIÊÊÊ!!!

Ela se levanta, ajeita o vestido rasgado, e com sua habilidade procura pela energia da filha, e sai caminhando deixando um rastro de puro terror para quem a via se deslocando entre as pessoas, como uma verdadeira cobra. Ela passa por Zhero, como se nunca o tivesse visto na vida, e continua caminhando cega de ódio e ciúmes.

Off: Coitado do Shujji... Very Happy Ela ainda não sabe que é ele.

To be continued...

OFF¹²³³: Mano, qualquer coisa se não gostar da pequena idéia, corrija por favor, ou eu mesmo corrijo.


_________________
"Não importa o quanto eu caia, eu sempre irei me levantar!"


"Sua vida não pertence mais somente a você, divida comigo, e terás meu poder." - Kami Serpente.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Akane
Finalmente Adolescente o/
avatar

Peixes Cavalo
Número de Mensagens : 63
Idade : 15
Localização : Atualmente Pensão Hinata
Emprego/lazer : ...
Humor : ...
Data de inscrição : 16/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sex Dez 12, 2014 8:48 am

*Foi tudo muito rápido, e confuso. Akane agora era uma menina de 12 anos, indefesa. Ela não sabia como agir em uma situação daquelas, e sentiu-se desesperada. A única coisa que passou por sua cabeça foi chamar por Shuuji. Sentiu lágrimas em seus olhos, o desespero aumentando quando aquelas sombras seguraram seu corpo, machucando sua pele, levando-a sabe-se lá pra onde naquela floresta escura.

Ela ouviu a voz dele chamando por ela, reparou que mais alguém estava ali, tentando se desvencilhar daquelas coisas que os prendiam. Não tinha muito que pudesse fazer, e percebeu que Shuuji lutava com seus sequestradores.

Pavor, medo, humilhação, sentimentos que Akane sentiu ao ser machucada por aqueles imbecis. Algo cortava seu pescoço, onde ficou ardendo. Akane rangeu os dentes. Ela estava ficando brava, mas só sabia se debater. Sem suas lembranças, era uma inútil! Shuuji era quem estava avançando, e ele lutava muito bem. Ele dominou o poder dos caras, e os subjugou.

Akane sentiu aquelas mãos de sombra apertando ainda mais seus braços e pernas, lhe machucando, e no meio da luta, pelo jeito, no final dela, Shuuji usou os próprios poderes dos sombras, contra eles. Ele parecia copiar os poderes dos inimigos  Wink .
As árvores que os atacavam pararam, e aqueles galhos vivos a levaram diretamente para os braços do Shuuji... Ela foi posta no colo dele, que lhe afagou os cabelos, e com aquele toque, no mesmo instante, os olhos de Akane ficaram vidrados, e lhe veio mais um flash de lembrança:


*Akane ia desviar do golpe que vinha em sua direção, mas acaba resvalando no galho onde estava... Sente que caira em alguma coisa fofa e quente... Quando percebe, estava nos braços de um belo rapaz... Fica muito vermelha, e não sabe o que fazer... Fica sem ação, pois nunca ninguém chegara tão perto dela daquela forma...*

Akane: - Eu... obri... ga... da...

Ela não sabia nem o nome do rapaz, mas fica emocionada e sentindo-se estranha, por alguém ter se preocupado com ela, como ele fizera naquele momento...


Ela volta para aquele momento, com Shuuji em sua frente, que continuava a protege-la com seu corpo, e usando uma magia incrível, ele acabou com todos os inimigos. Ele parecia imponente, forte, másculo... Akane não tinha mais que 1m30cm... e ao olhar Shuuji deste ângulo fez o coração dela correr acelerado. Ele virou-se pra ela, abaixando-se um pouco, perto de seu rosto e disse:

Shuuji: - Apenas gostaria que se lembrasse... mas se não for possível **abraça-a**, eu revivo cada momento só pra ficar perto de você.



scratch scratch scratch

*Passaram-se alguns segundos para que Akane entendesse o que acontecia. Ela ficou muito vermelha, e murmurou:

Akane: - Mas agora eu lembro quem você é... Shuuji-kun... Alguém importante pra mim... Ainda não lembro de tudo... mas, vou lembrar!

(sorrindo) (sorrindo)









_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Harima Kenji
Sub-Gerente e Sub-Chefe da Guarda
avatar

Libra Dragão
Número de Mensagens : 160
Idade : 28
Emprego/lazer : Programador / Professor
Humor : O de sempre
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sex Dez 12, 2014 2:26 pm

** post ráaaaaapido! Lety! Az! please come back! listen the music! **



** Harima acorda no templo, todo f#d#do, sendo cuidado pelos monges **

Harima: desculpem pela confusão, onde está shuuji?

Monge: te trouxemos de volta e aumentamos a proteção, apesar de ainda estarem na floresta, estão seguros.

Harima: pff... essa confusão foi culpa minha, eu vou me isolar um pouco, afinal, nossa hora de ir está chegando, Ali já deve ter pego alguma informação relevante ao conserto da cimitarra, e eu vou esperar no avião.

Monge: sabemos disso, e como vocês demoraram no festival, fizemos as malas de todos vocês, pois isso leva tempo.

** Harima vê as malas de todo o pessoal, e pelo visto elas estavam bem arrumadas, mas com a confusão entre ele e Shuuji muitas abriram e se espalharam, na qual as roupas foram novamente 'socadas' pra arrumar tudo de uma vez **

Harima: ham.. tá.. eu vou pra lá ** Pego as malas e vou para o avião.** Vou ficar por aqui.

** Participação de Harima no templo da água - encerrada! **

_____________________________________________________________________________

** Ela se lembrava dele, ou pelo menos era o que dizia, agora Shuuji estava num misto de alegria e confusão, aparentemente, ela não se lembrava dele, mas recuperou algumas memórias, mas o que houve para que esquecesse tudo? Será que isso tem a ver com essa aparência mais nova? e sua parte demônio? parecia não existir mais! ele precisava de respostas. **

Shuuji: que bom que está lembrando de mim **sorri, tentando não parecer preocupado**, vamos, temos que falar com o pessoal.

Akane: ha... hai!

** Akane ainda estava meio estática e assustada com tudo **

Shuuji: Você está cansada e machucada, vem, deixa que eu te levo.

** Shuuji coloca akane em suas costas e a carrega **

Shuuji: Akane, o que exatamante é esse seu colar? é diferente do ultimo que eu.... hã?

** Shuuji olhou para a floresta, uma aura negra e ameaçadora vindo na direção deles, mas estranhamente conhecida, ele soltou Akane novamente e se colocou em posição de combate **

Shuuji(sussurro): esse é o ki da Lola! mas por que ela nos atacaria!? Estão tentando me enganar! preciso proteger a Akane!

Shuuji: Lola! é você!? se for pare agora mesmo, se tentar nos atacar, eu não hesitarei em revidar!

** Shuuji vs Lola? isso é briga de cachorro grande! assista hoje no Hinata Repórter! **
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Zhero Kuratami

avatar

Número de Mensagens : 10
Data de inscrição : 31/08/2014

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sex Dez 12, 2014 10:34 pm

Off: Como prometido, estou postando, e seguirei a história com vocês ! PROMETO >.<

-----------------------------------------------------------------

Depois de tanta bagunça, risos e falhas de roteiros, finalmente o pequeno show acaba. A platéia começa a rir mais ainda depois da " pequena " surra que Lola dá em Xysuke, que tentava faze-lo voltar ao normal.

- Esse pessoal é meio doido, haha. - Zhero solta uma risada enquanto retirava uma peça de sua fantasia.

Após o final do " espetáculo " Zhero leva a Lola ( que havia desmaiado ) para um local mais fresco, para que ela pudesse tomar um ar e voltar ao normal, mas no caminho encontra Mei-lin, uma pequena garota que passava olhando Lola sobre o colo dele.

Zhero : - Er... a conhece ? - Ele pergunta meio sem jeito.

Mei : - S-sim ! Eu s-so queria saber se ela está bem... - Ela observa preocupada.

Zhero : - Ah, não foi nada... acho que ela acordará em breve. - Digo a ela enquanto a deixa em um banco deitada. - Quero que cuide dela, vou lá comprar uma água para ela e já volto.

Deixando-a lá, Zhero caminha tranquilamente até uma loja de conveniência mais próximo enquanto se lembrava de como era divertido brincar de fantasia com seu irmão mais velho. Quando pequeno, os dois viviam brincando, apesar de seu irmão ter várias tarefas ao dia, sempre arranjava um tempo para ele e isso o deixava muito feliz, até o tempo em que seus pais o levaram para um colégio cristão, e desde então, nunca mais o viu.

Chegando ao local, comprou duas garrafinhas de água de 500 ml e umas quatros barrinhas de chocolates para repor a energia que ela havia gasto naquele soco estranho batizado de " Narutoko "... Afinal, o que poderia ser aquele golpe que precisa de tanta energia assim ? ficou pensando nisso enquanto pagava a moça do caixa.

Saindo do local, Zhero observa de longe, uma pequena nuvem de fumaça que se formava durante a estrada, e rapidamente, dava pra se ver uma mulher correndo, segundos mais tarde, avistava-se Lola, correndo furiosa, como se estivesse de TPM multiplicado em 1,000,000,000 de vezes.

- EI ! - A Segura pelo braço - Aonde vai com tanta pressa assim ? Parece que fizeram bulling pra ter tanta sede de vingança ! - Ele a olha para os olhos dela e começa a rir. - Assim vai acabar virando um Super Sayajin ! haha.

Enquanto a segurava, ele desvia o olhar para um pequeno banco preto feito de madeira debaixo de uma arvore, onde havia várias folhas amarelas caídas em volta, então ele a puxa para o local, a empurra para o banco, fazendo-a sentar e logo joga a sacolinha com água e chocolates sobre o colo dela.

- Coma e beba essa agu... - Ele para e congela, aos pouco ele começa a ficar branco e frio, enquanto lia uma pequena placa ao lado escrito " Tinta fresca " . - Ahm... hehe... c-coma... ! - Ele se aproxima dela e a faz comer a barra de chocolate inteiro.

Sem saber o que fazer, ele se senta no chão na frente dela e começa a sorrir forçadamente.


_________________
" Todos acham que conhecem a si mesmo... Mas que na verdade não saiu da capa de seu próprio livro. "
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Akane
Finalmente Adolescente o/
avatar

Peixes Cavalo
Número de Mensagens : 63
Idade : 15
Localização : Atualmente Pensão Hinata
Emprego/lazer : ...
Humor : ...
Data de inscrição : 16/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Seg Dez 15, 2014 9:30 am

*Akane foi levantada com muita facilidade, e estava agora nas costas de Shuuji. Sentir o corpo quente dele lhe dava tranquilidade, e ela sorriu.*

Shuuji(sussurro): esse é o ki da Lola!

Akane: - Okaasan?!


*Desde que ela "acordou" daquele sono da falta de memória e mente infantil, Akane procurava por Lola, e não conseguia encontrá-la. Tinha quase conseguido falar com ela, mas os acontecimentos tinham mudado a trajetória de tudo. Como ela ainda não lembrava de tudo, tinha a curiosidade de saber porque tinha mudado tanto, do pouco que se lembrava de si mesma antes. Forçou mais um pouco a memória, atrás de resquícios, e algumas cenas surgiam em sua mente.

Lola muito machucada; Lola lutando com Akane Demon; Marbas, o meio irmão de Akane que a transformara em escrava; Lola vendo que não tinha saída, teria que matar Akane, para libertá-la de Marbas...

Mais detalhes lhe vieram a mente...

Marbas achou que as humanas não iriam sacrificar uma amiga, por isso fizera no pacto uma cláusula dizendo que se ele morresse, ela também morreria. Porém ele não acreditou quando Lola transpassou com a espada as costas de Akane. Melhor uma amiga morta, que uma amiga escrava...

O sangue das duas misturado no chão do campo de batalha... Seu corpo gritando de dor... Akane semi-morta escuta uma voz... Ela ouve uma voz... uma voz feminina, calma... era como se a voz aliviasse sua dor...

???: - Minha filha... agora você não sentirá mais dor... nem no corpo e nem na alma... venha para meus braços e renasça... renasça para ser feliz...

Akane sente uma lufada de vento q lava sua alma... Ela sente que o link com aquela guerreira está ainda mais fortalecido... Era por isso que sentia essa necessidade de encontrá-la!! Elas eram mãe... e filha...  Wink

Akane: - Shuuji-kun... eu lembro agora... que renasci... renasci do sangue da Lola... minha Okaasan... Quantas coisas mais preciso lembrar pra me sentir completa? - Ela aperta o abraço que dava em Shuuji (estava segurando-se nele, pois estava sendo levada nas costas dele) e sussurra o nome dele... como um pedido de socorro...

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Harima Kenji
Sub-Gerente e Sub-Chefe da Guarda
avatar

Libra Dragão
Número de Mensagens : 160
Idade : 28
Emprego/lazer : Programador / Professor
Humor : O de sempre
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Seg Dez 15, 2014 1:54 pm

** Harima está no avião! Então vamo lá meu irmão! Por que ta na hora de encerrar com um postão! **

** Não há muito o que dizer de Daphne ela... ficou meio atonita com tudo, mas ao ver Harima arrumar as coisas, ela tbm arrumou e foi esperar com ele, ela também ficou tietando o seta-san no avião... U__Uº **

** Shuuji sentia o abraço quante de Akane e ficou feliz pelas lembranças dela em relação a ele, mas como ela podia ser filha de Lola? **

Shuuji: realmente, Akane-chan (primeira vez q chama assim :)), ainda temos muito o que descobrir, mas por ora ** para em frente a um quarto **, aqui é o quarto da Mokona, ela deve estar chegando, e ai dentro deve ter todas as coisas de menina que precisa para se arrumar, tenho certeza que ela não liga. Eu vou preparar as coisas e te vejo no avião e... ** rubro que nem um tomate **, eu guardo um lugar do meu lado, se quiser. :)

** Dou um beijo na testa dela e abro a folha da porta, Akane entra e me despeço com um sorriso, vou até meu quarto e vejo que meus Dois irmãos já se mandaram pro avião. Arrumo minhas coisas e vou para a aeronave, onde sento estratégicamente ao lado de um lugar vago. **

Harima: desculpe, Shuuji, eu...
Shuuji: a culpa foi minha, nii-san.
Harima: vamos tentar nos entender, ok?
Shuuji: ok.
Harima: ah, Shuuji, sobre a Akane.
Shuuji: sabe de algo?
Harima: tanto quanto você, acho eu, mas algo me diz q a Lola não vai ceder tão facilmente.
Shuuji: como sabe dela?
Harima: o ki dela estava muito inflamado e eu senti ela indo para a floresta, então liguei as coisas.
Shuuji: algo a parou, aproveitei e vim para cá.
Harima: agora é esperar o avião partir, vou ligar para Lana e ver como ela, Seishin, Liriel, Luna e Hikaro estão, vem comigo?
Shuuji: claro!

** E assim, os Kenji encerram sua participação na fase do Templo! Boa sorte a todos! **
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Xysuke e Mokona
(Perfil de casal)
avatar

Número de Mensagens : 2
Data de inscrição : 03/09/2014

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qua Dez 17, 2014 12:05 pm

OFF: O post a seguir, apesar de ser um flashback e não ter muita relevância pra história, encerra a participação de Xysuke e Mokona no episódio do Templo da Água.

--

FLASHBACK:

Makie e Akane caminhavam mais à frente. Mokona caminhava ao lado de Xysuke, pelo caminho que levava da pequena cidade até o Templo da Água. Era um caminho no meio da floresta, que, a aquelas alturas da madrugada, tinha centenas de lanternas iluminando o caminho até lá. Mokona tinha segurado na mão de Xysuke assim que se encontraram a sós, e sentia-se enaltecida por poder aproveitar aquele momento ímpar com ele. Ao entrarem mais e mais na floresta, ela conseguia ouvir o som das águas das muitas cachoeiras que ela sabia existirem por ali. Aos poucos, lembranças de uma ilha, com algumas cachoeiras ao redor, vieram à mente de Mokona, que parou na frente de uma pequena queda d'água, que vertia de um dos paredões no caminho da floresta. Makie e Akane já estavam longe deles, mas, mesmo assim Mokona sentiu a necessidade de parar ali, e relembrar tudo aquilo.

Mokona: Sabe, Xy-kun, agora que sei um pouco sobre quem eu realmente sou, muitas lembranças estão vindo à minha mente. E uma delas é justamente do lugar onde vivi na Inglaterra...como Arthuria...e todas essas cachoeiras me fazem lembrar até mesmo do cheiro das macieiras em época de primavera.

Xysuke: Isso é ótimo, flor. É como se a invocação do espírito heróico Arturia por ti tivesse fortalecido o vinculo entre vocês, a vida passada e a presente, de modo que agora tu estás tendo relances do tempo e do espaço de Arturia no passado.

Xysuke ainda tinha um pouco de dor de cabeça, do momento em que pegou o bastão que Lola lhe dera na peça, que, por algum motivo, estava impregnado com alguma energia estranha e misteriosa.

Xysuke: Falando em visões....eu também vi alguma coisa, naquele momento da confusão toda que eu causei na peça...

Uma torre, extremamente alta, que atravessava as nuvens...




Xysuke: E........sei lá.........parecia um gato falante, bípede, gordo e branco, segurando um pau.....



Xysuke observava as cachoeiras em volta, que haviam chamado a atenção de Mokona, e atiçando as lembranças de Arturia

Xysuke: É um lugar bem calmo, tranquilo e bonito por aqui....dá até vontade de tirar a roupa e dar um mergulho nessa água, hehe

(Sangramento nazal na Mokona imaginando o Xysuke peladão na água)

Mokona apertou a mão de Xysuke, e chega mais perto dele.

Mokona: Sabe que te amo demais? Que te quero demais? - ela ia falando aquilo, muito vermelha, e chegando mais perto.

Xysuke: F-f-f-flor? M-mas dessa vez eu não de dei sake... - nesse momento toda a cabeça de Xysuke estava de uma cor só.

Mokona não quis nem saber, precisava tascar um beijo no namorado dela. Ela foi mais pra frente, e, nervosa, pisou em falso, indo em direção à Xysuke com toda a força que a gravidade poderia exercer sobre ela.



Xysuke e Mokona acabam se embolando no chão, Mokona por cima. Xysuke olhou para aqueles olhos verdes e brilhantes como esmeraldas e resolveu se render.

Xysuke: É mesmo....eu não te dei um beijo decente aquela vez, porque não queria me aproveitar do teu estado de embriaguez.......mas agora você está fazendo isso por vontade própria, então acho que não tem problema....

Xysuke achou que aquele momento seria propicio, e o ambiente ao redor ajudava a entrar no clima, então passou os braços ao redor do corpo de Mokona, puxou-a mais para si e deu aquele beijo que estava devendo, profundo e cheio de amor. Sentindo todo o amor de Xysuke para com ela, Mokona recebeu aquele beijo cheio de paixão. Queria ficar ali para sempre, aproveitando o calor e o amor dos braços dele. Depois daquele beijo profundo, Mokona falou, com a respiração entrecortada, olhos nos olhos...

Mokona: Aishiteru, Xy-kun...

O coração de Xysuke começou a bater mais rapido ao olhar, sentir e ouvir sua namorada dizendo aquelas palavras. Era como se todos os problemas se tornassem coisas pequenas quando ela estava com ele. Ela era a água trazida pela dama do lago para lavar todas as coisas ruins de seu coração e de sua alma.

Xysuke: E....eu também, Mo-chan....aishi........... - Xysuke piscou, e quando abriu novamente os olhos, seu sangue virou gelo...

Spoiler:
 


(Imaginem um destes efeitos sonoros tocando no momento que Xysuke se deparou com essa visão de pavor - não consegui achar um vídeo que fosse só com um deles)

https://www.youtube.com/watch?v=KQdUe91cYr8

Xysuke arregalou os olhos e sa apavorou.

Xysuke: MO-CHAN, CUIDADOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!

Ele trocou de posição com ela rapidamente, quase em um salto, e a protegeu com o próprio corpo, olhando em volta, procurando..........nada......desapareceu.........foi uma alucinação.

Mokona estava cheia de amor no coração, que batia descompassado, quando percebeu que o olhar de seu amado mudou completamente, e seu semblante ficou desfigurado por uma fração de segundos.

Mokona: O que...

Mas ele foi rápido demais até mesmo para seus pensamentos, e a virou, ficando agora em cima dela, lhe protegendo o corpo de algo invisível.

Mokona: Xy-kun, nanda yo?

Xysuke se deu conta de que teve uma alucinação e se levantou, ajudando Mokona a se levantar em seguida

Xysuke: Desculpa, flor.........eu pensei ter visto algo que não queria ter visto.......acho que estou precisando descansar, nosso dia foi cheio.........

Xysuke ainda suava um pouco frio, e seu coração ainda batia descompassadamente, não mais pelas palavras de amor de sua namorada, mas pelo pavor que sentiu alguns instantes atrás....

Mokona: Tudo bem, Xy-kun. Vamos voltar pro templo e descansar...nossos fantasmas nos atormentam quando entramos em quase transe belo barulho da água.

Eles iam caminhando, e Mokona ia falando, mas com uma entonação diferente.

Mokona: No Templo da Lua, todas as meninas passavam pelo que a Grande Sacerdotisa chamava de "Ritual do Nascimento da Lua", onde nós aprendíamos a controlar os poderes de oráculo, a partir da água na bacia de prata, onde ficava refletida a imagem da Lua Cheia. A água é muito poderosa, e pode nos fazer lembrar do que não queremos...

Xysuke não tirava os olhos de Mokona enquanto ela dava sua explicação. Ela ficava ainda mais linda quando falava sério explicando alguma coisa complicada. Parecia já uma MULHER com aquele tom de voz diferente e decidido.

Xysuke: Desde que me desliguei do templo Ling Sheng Su, tenho me achado mais suscetível a ter essas visões desagradáveis, desequilíbrios, desvios de caminho, perder a calma, momentos de pânico, estresse, etc........acho que estou completamente desviado do caminho que deveria seguir. E acho que consertar o Kali-Yuga é o primeiro passo pra dar um jeito em mim mesmo, e voltar pros trilhos........enquanto eu não consertar o Kali-Yuga, você é tudo que eu tenho pra me mostrar o caminho, flor...

Ela segurou forte a mão dele, como quem confirma o que ele acabou de falar.

Mokona: Vamos encontrar nossos caminhos juntos...pois eu acredito que mesmo que cada um tenha uma meta, um desejo, nossos caminhos serão trilhados lado a lado... Um ajudando o outro quando necessário. Todos temos nossos momentos de fraqueza, isso faz parte do nosso aprendizado...basta não deixarmos os obstáculos nos desestimularem.

Mokona soltou a mão de Xysuke, deu alguns passos para frente dele, e sorrindo disse...

Mokona: Se você chegar primeiro que eu ganha um beijo!!! kkkkkk - E saiu correndo...



Por alguns segundos parecia Arthuria na frente de Xysuke...

Xysuke: o.o - esfregou os olhos - ué.....por um instante, achei ela igual à Saber, mas ela tá lá na pensão....acho que to ficando maluco....

Xysuke saiu caminhando atrás dela, para que pudesse ver Mokona correndo, alegre e se divertindo. O simples fato de ver Mokona sorrindo, correndo alegre pra lá e pra cá, por vezes olhando pra trás e chamando ele pra andar mais depressa, já era suficiente para fazer Xysuke se sentir melhor, e ter esperança de que tudo ia acabar bem no final. Como se Mokona fosse a fonte de esperança e alto astral, quando os dele ficavam escassos.

Apesar de terem se afastado de Makie e Akane, o casal conseguiu alcançá-los e chegaram juntos no templo. Mais tarde, Xysuke e Mokona encontraram as malas prontas à postos para eles embarcarem a hora que quiserem, para o próximo destino.

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lola Chan

avatar

Escorpião Cabra
Número de Mensagens : 37
Idade : 25
Localização : Tóquio
Emprego/lazer : Treinar no dojo
Humor : ¬¬
Data de inscrição : 23/06/2009

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sex Dez 26, 2014 10:18 pm

Anteriormente...

O Trovão Lolial

"Enquanto a segurava, ele desvia o olhar para um pequeno banco preto feito de madeira debaixo de uma arvore, onde havia várias folhas amarelas caídas em volta, então ele a puxa para o local, a empurra para o banco, fazendo-a sentar e logo joga a sacolinha com água e chocolates sobre o colo dela.

- Coma e beba essa agu... - Ele para e congela, aos pouco ele começa a ficar branco e frio, enquanto lia uma pequena placa ao lado escrito " Tinta fresca " . - Ahm... hehe... c-coma... ! - Ele se aproxima dela e a faz comer a barra de chocolate inteiro.

Sem saber o que fazer, ele se senta no chão na frente dela e começa a sorrir forçadamente.
"


Lola, não se movia, não comia, não bebia... Estática.
Ela encara Zhero de uma forma como se ele fosse o último homem da Terra e diz.

- Se não quiser morrer... SAI DA MINHA FRENTE!

Ela se levanta o ignorando completamente, mas, sua traseira esta tipo isso:


Sem medo de nada...

Lola começou a caminhar entre a multidão, estilo Assassin's credo Creed, apenas empurrando delicadamente com as mãos. De repente ela começou a subir nos telhados tipo PAR CU R, começa a correr, sem parar, ela chega em um ponto alto e avista de cima acocada em cima de um tipo de gárgula, encarando LOUCAMENTE E FRIAMENTE Shujji.

- ..................................................................... Morra... - Ela sussurra como se mostrasse os caninos.

Lola saltou feito uma águia, enquanto ela caia de uma altura de 20 metros, o Kami de cobra a envolvia. Seus dentes estavam trincados e seu punho cerrado. Ela cai no chão de joelhos, encostando apenas a mão fechada como se tivesse dado um soco na terra, mas, não parecia nada modificado, o chão parecia intocado, mas, de repente uma cratera se abre diante de Shujji e Akane, e com o ki dela uma força estrondosa o arremessa longe o fazendo atravessar dez casas e vinte paredes de concreto e rochas.

- Fica longe do meu sangue e minha vida...

Ela vai se erguendo devagar, sentindo o Kami devorar o seu sangue, ela se vira e olha docemente para Akane. Caminha em direção a ela e se ajoelha perante a mesma, a puxando delicadamente para seus braços, lhe dando um beijo em sua face doce.

- Desculpe... Mas, ainda não posso aceitar que qualquer moleque, me afaste de você... Não agora... - Ela vira a cara envergonhada do nada e pensativa. - Me perdoe, por não ter ficado com você tempo suficiente... Mas, eu... Sinto que você... Precisa de mim... Como se teu sangue me chamasse... - Ela olha nos olhos de Akane e sorri COMO NUNCA SORRIU TÃO DOCE PARA ALGUÉM. - Eu... - Fica um pimentão. - Amo... VOCÊ... - Ela fala quase aos sussurros e se afasta um pouco tentando parecer forte.

Logo depois DAQUELA DECLARAÇÃO...Um tempinho depois... Pensa:

- -.-'''' Acho que peguei pesadinho demais com o Shujji não é? - Fala normalmente como se aquilo tivesse sido quase NORMAL.

To be continued...
Off: Isso aconteceu antes do Cris correr com o enredo ali, quando a Akane se lembra de tudo.

_________________
"Não importa o quanto eu caia, eu sempre irei me levantar!"


"Sua vida não pertence mais somente a você, divida comigo, e terás meu poder." - Kami Serpente.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ali Al-Said Samir

avatar

Capricórnio Porco
Número de Mensagens : 38
Idade : 33
Data de inscrição : 14/08/2009

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Qua Dez 31, 2014 8:39 pm

Off: E finalmente, meu post mais do que atrasado, minha última postagem neste ano! Mais uma vez peço desculpas pelos mesmos motivos que disse no whats e no Skype, mas prometo ser bem mais pontual nas minhas postagens... ok, chega de enrolar! Postando!


ON: Go all the way to the Tower

*Após a peça e suas confusões, eu e Talim caminhávamos pela vila. Eu estava mais nostálgico do que nunca, relembrando meus primeiros anos como Avatar; como a vila é pequena, praticamente todo mundo (exceto os que vieram de fora para o festival) me reconheceram e me cumprimentavam; pude rever muitos velhos conhecidos e relembrar coisas que não sentia há muito tempo. Comendo mais um espetinho de doces, eu caminhava tranquilamente. Mas Talim ao meu lado não parecia tão calma assim. Na verdade, ela parecia estar soltando fumaça*


Talim: Droga de festival! Droga de peça!
Ali: (mastigando): Ora, Talim (chomp)... voche num devia (chomp) ruclamar tantu (nhac)... no final, as meninas te deixaram participar da peça.
Talim: É, eu fui a árvore mais destacada do cenário... T.T
Ali: Hahah, ora, mas fique contente, pelo amor de Allah! Apesar de estarmos numa missão e numa busca tão importantes, ainda pudemos relaxar e curtir um festival. Por que você não se anima um pouco e curte o resto do festival, nervosinha?

*De repente, Talim pára estática, não é possível ver seus olhos pela sombra que os cobre, mas eu não noto nada disso.*


Ali: Ah, fizeram uma nova variação dos doces com morangos! Olha lá, Talim, você que gosta de morango, não quer experim...

*Só então eu vejo Talim e noto suas mãos cerradas, seus dentes trincados e lágrimas saindo de seus olhos.*


Ali: Ora, vamos Talim, eu estava brincando! Não precisa ficar tão chateada só porque eu disse que você é nerv...

*De repente Talim me agarra pelo pescoço. Eu fecho os olhos achando que ela vai me dar outra tamancada, mas de repente suas mãos seguram meu rosto e ela me beija. Assim, do nada. Surpreso, eu me afasto.*




Ali: H-hã... acho que é melhor a gente v-voltar p-pro templo, l-logo teremos que guardar as coisas no avião e voar nas malas e-e...

*Talim me acerta um soco carregado com ar, me arremessando até eu bater de costas numa árvore. Caio no chão e olho pra ela*


Ali: Ei! Por que você fez isso?!
Talim: Até quando você vai ficar enrolando, Ali?! Já faz muito tempo que eu deixei claro que te amava, que quero ser sua esposa, e você fica aí, fazendo de conta que nunca ouviu nada! Pára de ser infantil e me dá uma resposta, nem que ao menos seja pra me rejeitar, mas não fique fazendo de conta que me ignora! Isso é pior do que ser rejeitada! Ao menos me estimularia a procurar um marido que realmente me quisesse!

*Fico em pé, mas meus braços amolecem. Desta vez eu não tinha mesmo pra onde correr.*


Ali: As coisas não são tão simples assim, Talim... N-não é como se eu não gostasse de você ou não te quisesse como esposa ou coisa assim mas... Você sabe muito bem que eu já deveria ter me casado anos atrás, mas não com você.
Talim: Eu sei, com ela... mesmo assim, eu não me importo, nunca me importei de ser sua segunda esposa!
Ali: Eu ainda nem tenho a primeira e você já quer ser a segunda? Desse jeito, quem está sendo infantil é você Talim. Além disso, você ainda não tem idade...
Talim: Pelas leis da nossa tribo, eu já sou adulta, e você sabe disso muito bem!
Ali: Meu pai desertou da tribo muitos anos antes de eu nascer, eu nunca fui criado seguindo os costumes, exceto a própria Dobra de Ar. O único contato real que tive com nossa tribo foi quando seus pais me pediram para cuidar de você, no dia que eles morreram.
Talim: Certo, e isto não é a mesma coisa que um casamento arranjado?
Ali: Não, cuidar não quer dizer isso. Por Allah, Talim, eu tenho idade para ser seu pai! Ou seu irmão...
Talim: Mas meu marido também! Ou se esqueceu que seu pai era quase trinta anos mais velho que a sua mãe?!
Ali: Eu sei... mas não sou como meu pai. Além disso... Tenta entender, Talim, eu prometi a ela que um dia me casaria com ela... quando removesse a maldição.
Talim: Sim, mas não precisa necessariamente que ela seja sua primeira esposa, não é mesmo? Ou você acha que eu me esqueci o quanto você deu em cima da noiva do sahib Edu Az antes de eles se casarem?

*Engoli em seco. Dessa vez eu realmente estava encurralado.*

Ali: Hã...
Talim: Sei que posso estar sendo atrevida e desrespeitosa por falar com você assim, "príncipe Ali" (off: Talim usa um tom bem irônico aqui) mas você também faltou com o respeito comigo ao me ignorar desse jeito por tanto tempo!
Ali: Hã...
Talim: Eu não sei se você realmente gosta de mim, mas eu já deixei bem claro o quanto gosto de você... até quando você vai...

*De repente, eu ouço e sinto algo estranho em volta e me assusto.*

Ali: O que é isso?!
Talim: Ei, não tenta disfarçar não! Eu quero uma resp...
Ali (tapando a boca de Talim com uma mão e fazendo gesto de silêncio com a outra): Shh!!

*À princípio furiosa, Talim logo nota que eu não estou mentindo e também começa a ouvir e sentir; Dobradores de Ar têm a capacidade auditiva muito mais intensa que a dos seres humanos normais e podíamos escutar pessoas conversando mesmo no templo da Água, a quilômetros dali, através do imenso barulho das cachoeiras, mas estávamos escutando sons que vinham do outro lado da vila. Olho em volta e tento identificar aqueles Kis estranhos que eu sentira. Sim, não havia dúvida, e Talim agora podia sentir também*


Talim: Isso é...
Ali: Sim, é. Essa sensação é inconfundível. E pior, alguns dos nossos companheiros estão lá perto!


*Nós dois estávamos do outro lado da vila, onde estava acontecendo o embate entre Shuuji e os dois seres estranhos. Eu e Talim saímos correndo na direção que sentimos aquelas energias e ouvimos a luta, Talim já sacando suas adagas; eu levo minha mão à cintura, apenas para me lembrar que minha espada Zulfiqar havia sido destruída. Com um suspiro de desânimo, apresso a corrida, mas nós chegamos apenas depois que Lola já havia chutado Shuuji para longe. Após uma rápida explicação de Akane, eu vou retirar Shuuji dos escombros enquanto Talim investiga em volta para ver se estava tudo bem. Shuuji me explica com detalhes o que aconteceu, e depois ele e os demais vão embora para o Templo da Água. Eu e Talim ficamos investigando e analisando os restos dos dois seres que Shuuji destruiu.*


Talim: E então, o que você acha?
Ali: Difícil dizer. A aparência, o Ki e os restos dessas coisas lembram muito os GS, os Guerreiros Sombra (OFF: Alguém mais lembra deles de aventuras passadas?), mas o comportamento que Shuuji descreveu é totalmente diferente; Guerreiros Sombra não falam, nem são capazes de pensar. E que história é essa de Manipulação da Natureza? Um tipo de Dobra Elemental desconhecido?
Talim: Mas o mais importante é... onde estão aqueles dois Kis malignos que sentimos, aqui na vila...? Achei que nenhum ser do Submundo poderia entrar num dos Templos Sagrados...
Ali: Tecnicamente, aqui já é fora da área do Templo, os limites da Vila são definidos justamente pela área de proteção sagrada. Eles esperaram até Akane e Shuuji saírem da área segura para atacá-la... Seja como for, a última vez que senti o Ki deles, eles subiam em direção ao céu noturno, então provavelmente os dois já estão bem longe daqui. Se eu ainda pudesse usar meu tapete talvez pudesse seguí-los, mas... A dúvida que resta é: eles tiveram algo a ver com estas duas sombras? Qual era seu objetivo? E principalmente, eles conseguiram realizá-lo?


*De repente, começou a chover. Uma chuva fina, mas que era um prenúncio da tempestade que o mestre Lo Meng previra. A chuva lavava o resto das pistas e dissolvia o que sobrara das sombras destruídas por Shuuji.*


Ali: Acho que é melhor você voltar imediatamente para o Templo, Talim. Aqui não é seguro, ainda mais a esta hora.
Talim: E você? Se ficar muito tempo nessa chuva pode ficar resfriado...
Ali: Haha, já esqueceu que também sou um Dobrador de Água? A chuva só me dá força. Eu vou investigar mais um pouco e patrulhar o perímetro para ter certeza que teremos uma noite tranquila. Você sim tem que se abrigar logo.
Talim: Tá bem... só não demore muito, não esquece que você tem que pilotar amanhã.
Ali: Yahllah. Vai logo antes que se molhe demais.


*Talim faz uma leve reverência e parte apressada na direção do templo. Ela estava bastante feliz.*


Talim (pensando): Hehe, fazia tempo que ele não se mostrava tão preocupado comigo... engraçado, porque estou com a sensação de que esqueci alguma cois...EPA!!!


*Só então ela se lembrou que nossa conversa de antes parou na metade. Ela olha na minha direção e percebe que eu já sumira dali. Eu saltava pra bem longe de árvore em árvore, com um sorriso de alívio imenso no rosto, enquanto agradecia silenciosamente a Allah por ter escapado daquela arapuca mental, ainda que por um fio. Talim por sua vez esbravejava e dizia um monte de palavras feias...*





***

*Enquanto isso, longe dali há alguns quilômetros, os dois imps que nos seguiam desde a Pensão Hinata gargalhavam histéricos. Seu mestre observou nosso grupo aquele tempo todo, mas foi na hora da peça que ao notar a presença de Akane, um novo plano surgiu em sua mente. Mas para isso ele precisava tirar o pingente que ela usava em seu pescoço. Como ele mesmo não podia se aproximar do templo, enviou dois GS modificados para que os imps controlassem mentalmente, assim os dois não precisariam correr o risco de se aproximarem demais da área do Templo e serem descobertos, ou pior, destruídos. Os dois imps usaram então os GS transferindo suas consciências para eles e atacaram Akane, mas por sorte Shuuji pareceu e a salvou antes que eles pudessem concluir seus objetivos... exceto o principal, que era tirar o pingente dela. Disfarçadamente eles arrancaram o pingente usando os galhos das árvores que manipulavam e mandaram para longe; quando os GS foram destruídos, os dois imps em seus corpos verdadeiros pegaram o pingente no galho que deixaram, bem longe do local da luta, e voaram antes da chegada de Lola. Agora, Akane estava sem seu colar... e o plano do "chefe" iniciara. Ainda gargalhando, os dois sumiram no meio da noite, entre as nuvens de chuva.*

***

*No dia seguinte, a chuva caía bem forte aumentando ainda mais o barulho das inúmeras cachoeiras do Templo da Água. O SETA-03 já estava todo arrumado e consertado, e ainda tivemos que arrumá-lo para colocar espaço para nossos passageiros extras. Xysuke, Harima, Mokona, Shuuji e Lola já estavam acomodados, os outros ainda estavam esperando, na chuva. O único que não aparecia era justamente o piloto, ou seja, eu. Talim começava a se preocupar.*


Talim: Ele não veio pro Templo ontem à noite, e ninguém viu ele depois que a chuva começou...
Makie: Será que aconteceu alguma coisa com o Ali-san...?
Talim: Chega! Eu vou atrás dele!
Xou Man: Espere, pequena Xai Xeng! Vejam, lá na água!

*Todos olharam para onde Xou apontava: um corpo boiando na água. Talim gritou desesperada, ao me reconhecer lá.*


Talim: ALI!!! NÃOOOOO!!!!
Ali: Pára de gritar, Talim! Me deixa dormir...


*Todo mundo caiu pra trás e Talim, furiosa, lançou seu Killer Wind, me arremessando contra a parede de pedra. Depois pulou em cima de mim e ficou me acertando com o tamanco até não conseguir mais sentir os braços. Depois deste incidente eu expliquei que tinha resolvido dormir no lago porque cheguei tarde da patrulha e não queria acordar ninguém... na verdade, eu tinha resolvido me esconder dormindo no lago porque eu sabia que Talim ia me esperar pra tentar terminar a conversa, e de fato ela passou a noite inteira me esperando, como as olheiras indicavam... foi só terminar de me bater que ela desabou de sono. A colocamos tranquilamente no avião e terminamos de pôr o resto das coisas, enquanto minha cabeça sangrava um bocado...*


Xysuke (limpando o suor da testa): Bom, acho que finalmente terminamos e podemos partir, não?
Ali (limpando o suor e o sangue da testa): Espere um instante, sahib Xysuke... tem algo muito importante que ainda precisa ser feito.
Xysuke: O quê?


*Caminho até onde Makie e Akane estão e pego as duas pelas orelhas.*




Makie: Ai!
Akane: Ei! O que é issooooo! Ai!
Ali: Preciso ter uma conversa séria com estas duas mocinhas, por causa da irresponsabilidade que tiveram... Sei que Xysuke, Harima, Mokona ou Lola é quem deveriam fazer isto, mas eu estou mais acostumado a lidar com este tipo de travessura *olho sério para Talim que dormia profundamente* Venham aqui agora, vocês duas! Vocês têm ideia do que fizeram? Poderiam ter morrido!!


*Arrasto as duas pelas orelhas até um dos quiosques e, durante uma loooooonga hora, discurso sobre o quanto elas aprontaram, que poderiam ter morrido congeladas, caído do avião ou afogadas (quando a caixa delas caiu na água), e principalmente do quanto o pessoal da Pensão sofreria se algo acontecesse a elas.*


Ali: Vocês entenderam bem?! Se aprontarem uma dessas de novo, vou contar tudo para o Az, e ele é quem vai tratar de castigar vocês! (off: todos na Pensão sabiam o quanto Az é severo nos castigos, e que ele fala TRÊS VEZES mais do que Ali) Agora, coloquem suas bundas no avião e tratem de ficar bem quietinhas, ou vou levar vocês duas pela orelha até as Terras de Karin!


 *As duas correm para o avião, esfregando as orelhas, enquanto eu pego minha última mala e coloco. Antes de eu entrar, os Dobradores da Água vêm se despedir de nós*


Xou Man: Eu mais uma vez peço desculpas pelo que fizemos, Ali... saiba que você e seus amigos sempre serão bem vindos ao Templo da Água a hora que quiserem.
Ali: O que passou, passou, Xou. Vocês pagaram tudo com sua hospitalidade e com os ferimentos que sofreram. Se quer mesmo se desculpar, trate de melhorar sua Dobra D'água, pois o Xai Xeng da Água deve ter um nível no mínimo igual ao meu.
Xou: Você... está dizendo que eu sou... que eu vou ser...
Ali: Estou dizendo que você PODE. Todos aqui podem, desde que se esforcem.


*Xou sorri e me faz a saudação tradicional do Kung Fu, sendo seguido por todos os outros. Eu respondo, vejo o mestre Lo Meng se aproximar de nós e o saúdo também. O Mestre então me estende um bastão.*


Ali: Mestre, isso é...
Lo Meng: O falso Ruyi Jingu Bang (bastão do Rei Macaco) que seu amigo usou na peça. Leve com vocês. Acredito que irá ajudar em sua busca, mais do que qualquer mapa.


*Apesar de estranhar a oferta de um bastão falso para procurar o verdadeiro, eu nunca discutia os conselhos do mestre Lo Meng e por isso aceitei o bastão. Ao segurá-lo, eu logo entendi o porque e novamente agradeci ao mestre.*


Ali: Eu... nunca poderei agradecer por...
Lo Meng: Não precisa dizer nada, meu jovem ex-aluno. Sei muito bem o que irá dizer. Me agradeça, restaurando o Equilíbrio e finalmente cumprindo seu dever de Avatar.
Ali: Sim, mestre!
Lo Meng: Bem, tenho um último conselho para você, Ali. Sobre a jovem Talim, não esqueça que, apesar de jovem, ela já é uma mulher e...
Ali: GLUP! Hã, olha a hora, mestre! Os outros estão esperando pra eu pilotar! O senhor termina de me dizer da próxima vez que eu vier aqui... até mais!


*Entro correndo no avião e fecho a porta o mais rápido possível, enquanto os Dobradores seguram as risadas. Dentro do avião, sento na poltrona do piloto, coloco os fones de ouvido e ligo os motores.*
 

Ali: Muito bem, próxima parada as Terras de Karin, onde iremos encontrar o templo sagrado da Torre de Karin! Apertem seus cintos e preparem-se para decolar!
Harima: Hã, Ali-san, como vamos decolar? Não tem pista!
Ali: Não se preocupem, afinal este é um avião do sahib Seta. Ativar modo hidroavião!




*Aperto um botão no painel e surgem dois flutuadores no trem de pouso do SETA-03. O avião começa a andar da praia onde estávamos e entra no lago, onde começa a ganhar velocidade, até que finalmente decolamos, apesar da chuva forte que caía. Usando minha habilidade de Dobra, ajudo a aliviar a tempestade para podermos voar melhor, mas isto era bem cansativo, já que eu também estava pilotando. Pela primeira vez na viagem eu pilotava sem abrir a boca... até que finalmente saímos da tempestade, deixando Rosan para trás e comecei a falar pelos cotovelos. Conversava com eles a respeito do bastão falso, de como ele poderia ter dado visões a Xysuke e... algo mais.*


Ali: E é isso, o bastão falso pode ficar com qualquer um de nós aqui. Por ser uma mera réplica, acredito que qualquer um pode usar.
Xysuke: Ali, você viu alguma coisa quando segurou o bastão?
Ali: Eu... difícil dizer, sahib Xysuke. Parecia mais que eu ouvia uma voz chamando. Não sei dizer como, mas acredito que este bastão falso tem mais a ver com o bastão verdadeiro do que pensamos.
Harima: Como assim?
Ali: A direção que o bastão parece querer me mostrar bate mais ou menos com a rota que o Avatar Zhou nos indicou para chegar às Terras de Karin. De alguma forma, acho que foi isto o que ele quis dizer: "o caminho sempre é mostrado a quem o procura de coração", e como não temos um mapa nem ninguém que possa nos guiar até esse lugar, teremos que confiar neste bastão falso como se fosse uma bússola; a Torre onde vive o tal espírito em forma de eremita deve guardar o bastão do Rei Macaco, e este bastão falso parece nos guiar até lá.
Talim (que já acordara): Você tem certeza Ali?
Ali: Não, é só uma intuição. Uma intuição REALMENTE forte. Mas é melhor do que o que tínhamos.


*Talim fica indecisa se me acerta outra tamancada ou não; como eu estava pilotando o avião, ela decide guardar a tamancada pra depois... seja como for, o caminho até a lendária Terra de Karin era realmente complicado; mesmo que tivéssemos um mapa, provavelmente nos perderíamos mil vezes antes de achar a rota correta. Vários dias passamos viajando, passando por cordilheiras, vales e desertos, encontrando cada vez menos regiões habitadas, parando nas poucas cidades ou vilas apenas para abastecer e fazíamos nossas refeições no avião. O SETA-03 viajava realmente rápido, a uma velocidade sub-sônica, e mesmo assim, devido às muitas voltas do caminho e às paradas, a viagem estava demorando mais do que gostaríamos. Apesar de confiarmos nas orientações do Avatar Zhou e da suposta "bússola-bastão", muitas vezes duvidávamos se estávamos no caminho certo; já havíamos saído da China há muito tempo, e agora cruzávamos o meio-oeste da Ásia, em direção ao Oriente Médio, uma legítima Jornada ao Oeste. Até que, um dia, enquanto voávamos sobre uma imensa planície, algo aconteceu: todos que eram mais sensíveis puderam sentir uma sensação diferente, principalmente eu, Talim, Mokona, Akane, Harima e Xysuke; todos pudemos sentir que era como se a própria atmosfera tivesse mudado. Para Harima e Xysuke a sensação foi muito familiar: era quase a mesma de quando eles foram ao Mundo Espiritual comigo. De repente, todas as armas e itens místicos dentro do avião começaram a brilhar: as adagas de Talim, meu tapete e minha faixa, e até mesmo os pedaços do Kali-Yuga e da minha Zulfiqar parecem reagir à energia que emana do ar.*


Xysuke: Ali-san, isto é...
Ali: Sim, sahib Xysuke. Estamos numa área de grande poder espiritual. Uma área onde os reinos da Terra e do Mundo Espiritual se tocam. E pelo visto, estamos exatamente no caminho certo.
*Eu aponto para o bastão falso que brilhava também, como os demais itens; a diferença é que ele brilhava mais forte em uma das pontas, e logo notamos que ele estava indicando a direção para onde ir*


Ali: Hehehe, e então Talim, acredita agora na minha intuição?
Talim: Hunf! Só vou acreditar quando e se eu vir a tal torre...
Mokona: Então pode acreditar, Talim-chan. Vejam aquilo!!!


*Diante de nossos olhos estupefatos, como que saindo de dentro de uma névoa, uma estrutura monolítica gigantesca aparecia bem ao longe. Sua largura era descomunal, e sua altura era incalculável, uma vez que ela ultrapassava as nuvens. Mesmo voando e vendo a imensa estrutura à distância, não conseguíamos ver nem sua base, nem seu topo.*




Talim: Mac Allah!!
Xysuke: I-isso é...
Ali: A Torre de Karin! Nós conseguimos!


*Gritos de alegria e comemoração no avião. Mesmo assim, Talim não perdeu seu mau-humor tradicional e fez uma pergunta até bem razoável*


Talim: Peraí... não me diga que a gente vai ter que... subir nessa torre gigantesca?!
Ali: Haha, não se preocupe, Talim! Com nossos poderes de Dobra de Ar, poderemos fazer este avião pousar como um helicóptero no alto da torre, ou pelo menos no mais alto que conseguirmos. Finalmente, graças a Allah, tudo está começando a dar certo e...


*De repente, ouvimos um barulho estranho nos motores do SETA-03, e o avião começa a balançar. Talim não aguenta e me acerta uma tamancada.*



Talim: Ô boca!

Ali: Ai! Pára de brincadeira, Talim, a coisa é séria aqui! Os motores pifaram!

Lola: Acabou o combustível?
Ali: Não, os tanques ainda estão cheios... os motores simplesmente pararam de funcionar! Rápido, Talim, me ajude a estabilizar o avião com a Dobra de Ar, antes que a gente caia!


*Eu e Talim começamos a movimentar nossas mãos de forma a controlar as correntes de ar; entretanto, por algum motivo, não conseguíamos controlar direito o vento. Era como se nós dois estivéssemos presos a imensas bolas de aço, tentando levantar uma casa*


Talim: O... o que é isso...?! Não estou conseguindo dominar direito as correntes de ar!
Ali: Ungh... eu também não... é alguma coisa na atmosfera deste lugar! Vamos, não podemos desistir! Vamos tentar pousar o mais próximo possível da torre... ou pelo menos tentar pousar!


*Com muita dificuldade, eu e Talim estabilizamos uma asa cada um; eu não permiti que Shuuji tentasse usar seus poderes de imitação para copiar a Dobra de Ar, uma vez que neste caso não era apenas uma questão de poder, exigiria muita experiência no controle do ar, ou então ficaríamos completamente desestabilizados, como uma pipa sem rabiola... Com muito esforço, nós conseguimos fazer o avião pousar, direto numa duna de areia. Graças a Allah, ninguém se machucou, apesar do avião ter ficado parcialmente enterrado na duna. Após nos recuperarmos um pouco, saímos de dentro do avião. Fui testar os motores enquanto Talim subia em cima da carcaça do avião para nos localizarmos: deserto, deserto e deserto, para todos os lados. Um gigantesco banco de areia, e quilômetros longe da planície que vimos antes do avião começar a dar problemas. Estávamos naquela situação, quando de repente vemos um estranho ao longe, um beduíno montado num camelo. Todos ficamos em guarda.*




Beduíno: تحية طيبة، والغرباء.

Ali: قد سلام الله عليكم يا البدو.

Talim: مهلا! انهم يريدون وقف يتصرف كما لو كانوا رفاقا، كنت اثنين؟!



*Os Hinata Warriors começaram a perder a paciência*


Harima: Ô, dá pra apertar a tecla SAP?!

Beduíno: Meu nome é Kalil, forasteiros. Eu gostaria de dar boas vindas a vocês, mas infelizmente para vocês ninguém é realmente bem vindo à Terra Sagrada de Karin. Muitos vêm aqui em busca de conhecimento, muitos querem poder, muitos querem riquezas e muitos querem apenas explorá-la. O poder sagrado desta terra impede que as máquinas modernas funcionem de forma normal. Este lugar faz de tudo para que o ser humano moderno não o contamine com sua vil existência, de modo que sua pureza permaneça imaculada.
Ali: Não é nossa intenção corromper ou saquear a Terra de Karin, nobre Kalil. Nós viemos aqui em missão sagrada, para falar com o Eremita que vive naquela torre, pois só ele possui a informação que precisamos.


*O beduíno olhou para nós e um leve sorriso surgiu em seu rosto de pedra.*


Kalil: Então, vieram apenas para jogar suas vidas fora...
Talim (já colocando as mãos nos cabos de suas adagas): Você irá tentar nos matar?

Kalil: Não, pequena... não precisarei sujar minhas mãos de sangue. Este lugar é um desafio a todos aqueles que ousam pensarem serem dignos de ver o Mestre. A própria Terra de Karin será seu túmulo e seu executor.


*Olhamos para onde ele apontava. Um escorpião gigante saiu de dentro da areia e caminhou lentamente em nossa direção. Todos ficaram em guarda, mas eu saltei na frente do grupo.*



Ali: Para trás, amigos... Eu coloquei todos nesta encrenca, então eu devo encarar este desafio, sozinho! Venha, fera!


*O escorpião avança com suas pinças; eu salto, escapando das garras mortais e, usando meu domínio sobre o vento, desvio de outra garra em pleno ar. O escorpião tenta então me atacar com seu ferrão venenoso, mas desvio da ferroada e agarro sua cauda. Por estar suspenso no ar, não tenho como arrastá-lo, mas faço força e consigo quebrar seu ferrão, fazendo o monstro soltar um urro de dor. Ele me acerta com o que sobrou de seu rabo e me lança longe, mas giro no ar e caio de pé na areia. Não havia pedra ou água ali perto, dobrar a areia era difícil e lento demais, e o ar não era uma arma muito útil neste caso. Entretanto, eu estava longe de estar indefeso. Girei as mãos e gerei uma bola de fogo entre elas; o escorpião avançou e disparei a bola de fogo contra ele, calcinando sua carapaça e queimando-o completamente. Sorri triunfante.*





Ali: He, só isso? Este era o tal teste?

Kalil (sorrindo): Não se vanglorie tanto, jovem Avatar... este escorpião foi só o começo da primeira etapa de seus testes. De todos vocês. Ou você realmente acha que poderá enfrentar sozinho os milhares de feras e criaturas místicas que estão entre vocês e a Torre?


*Olhamos em volta; os que podiam, foram capazes de realmente sentir milhares de presenças agressivas naquela região.*



Kalil: Esta terra é habitada tanto por seres do mundo físico quanto por criaturas do mundo dos espíritos, criaturas sanguinárias que há séculos batalham uma com a outra para decidir quem devora quem, e nenhum ser normal jamais sobreviveu a este deserto. Poucos conseguiram superá-lo e chegar à Torre, e quase todos morreram sem nunca verem seus portões. Meu povo guarda a cidadela que protege a Torre. Ela fica a dez dias de viagem a pé daqui. Se vocês sobreviverem ao deserto, preparem-se para seu segundo desafio. Assalamu Alaikum.



*Após sua despedida, o beduíno cavalgou seu camelo rapidamente para longe dali, rápido demais para um animal normal. Vendo ele partir, podíamos ver que ele se dirigia, rápido como um raio, na direção de uma cidadela no meio do deserto, uma cidadela que ficava exatamente aos pés da Torre de Karin. Eu então reuni o grupo.*






Ali: Bom, amigos, em primeiro lugar, quero pedir desculpas por colocá-los nesta situação terrível. Não quero que vocês se arrisquem à toa. Eu seguirei meu caminho até a Torre, sozinho se for preciso. Se alguém quiser me seguir, será bem vindo ao grupo, mas quem não quiser arriscar a vida, siga na direção contrária à Torre (ela está bem no meio do deserto), acredito que levará cerca de cinco dias para sair daqui a pé, indo na direção de onde viemos com o avião. Eu e Talim podemos ensinar certas técnicas para sobreviver no deserto, ou melhor, ela poderá acompanhar vocês pra fora, já que é melhor que as crianças estejam a salv...



*Talim me acerta outra tamancada na cabeça*


Talim: Mas de jeito nenhum que eu vou te deixar sozinho, seu mala! Eu vou com você e ponto final!
Ali: Ai... não precisava ter me batido... eu só não queria que você se arrisc...


*Ela tenta me acertar outra tamancada, mas desta vez desvio, só que ela me acerta um pontapé no meio das bolas*




Talim: Deixa de drama! Esqueceu que, diferente de você, que só perigrinou depois de adulto, eu cresci no deserto? Vamos lá pessoal, quem vai com a gente trate de se carregar com apenas o que for essencial das coisas que estão no avião! Acho que eu vi um oásis há alguns quilômetros daqui, onde poderemos nos abastecer com água, e quero chegar lá antes que fique escuro e frio demais, ou algum monstro apareça (literalmente). Os fracos e covardes que se mandem! Vamos!
Ali (falando fino): Também não precisava fazer isso...


*Levamos uma hora para nos arrumarmos com mochilas, víveres, equipamentos e outras coisas. Mas logo estávamos em marcha por aquela vastidão de areia. Nas dunas, monstros sobrenaturais e feras selvagens nos espreitavam, apenas esperando um descuido nosso para nos atacar e devorar. Longe, muito longe dali, os imps também nos espreitavam, suas presenças disfarçadas pela imensa quantidade de energia espiritual daquele deserto. Mas todos nós que seguíamos em direção à torre sabíamos que os maiores perigos estavam lá, nos aguardando. Fiz não uma, mas várias preces a Deus para que nos protegesse. Nossa missão ficava cada vez mais perigosa, a cada passo em frente.*


Continuem...

OFF 2: Duvido que alguém realmente queira desistir, mas deixei essa opção, pra não prender ninguém ao roteiro. Façam como seus personagens achariam melhor, hehe. Também não mencionei o Zhero no meu post pq não ficou claro se ele irá com o grupo, se ele for, no post dele ele especifica isso, ok?

OFF 3: Novamente fiz personagens que não são meus falarem, mas baseados naquilo que já sei sobre eles, tentando não fugir do contexto de nenhum, e tb não fiz nenhuma ação controlando outros personagens exceto os meus. Quem quiser usar o Ali e a Talim da mesma forma, fique à vontade.

OFF 4: Como todo mundo deve ter percebido, a Torre de Karin da nossa aventura é bem diferente da do universo do anime (ou não, quem sabe?). Podemos aproveitar a aventura no deserto ou fazer uma passagem de tempo instantânea ("e após dez dias de viagem pelo deserto..."), mas se ninguém fizer a gente chegar na Torre, eu faço no meu próximo post, ok? Divirtam-se, isso é o que importa!

OFF 5: Feliz Ano-Novo!

_________________


"Mac Allah(Poderoso é Deus)... eu sou apenas Seu humilde servo."
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Makie-chan

avatar

Peixes Galo
Número de Mensagens : 45
Idade : 24
Localização : Atualmente Pensão Hinata
Emprego/lazer : Estudante / Ginástica Ritmica
Humor : Sempre de ótimo humor!! ^.^
Data de inscrição : 25/08/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sex Jan 02, 2015 9:52 am



*Seus pés afundavam na areia quente, ela sentia o suor escorrendo através do cabelo, depois pelo rosto, indo para o pescoço. Mesmo de sombrinha, Makie destilava no calor daquele deserto. Obviamente que sendo uma japonesa precavida, ela sempre tinha uma ou duas sombrinhas por perto, para proteger-se da chuva e do sol. Ainda mais em uma viagem para diversos lugares desconhecidos. Conseguira algumas roupas chinesas para as duas, generosamente doadas pelas Dobradoras da água, fora outras coisas que conseguira no rápido tempo que passara no vilarejo (como uma fita de seda vermelha, para confeccionar uma fita de ginástica rítmica, que não deixava de ser sua arma secreta nos momentos de necessidade, e que não trouxera na viagem por motivos óbvios). Entregara uma sombrinha para Akane, e seguiu a comitiva pelas areias do deserto.*







*Foi pensando na insensatez de Akane que Makie relembrou das palavras de Ali. *

Ali: Preciso ter uma conversa séria com estas duas mocinhas, por causa da irresponsabilidade que tiveram... Sei que Xysuke, Harima, Mokona ou Lola é quem deveriam fazer isto, mas eu estou mais acostumado a lidar com este tipo de travessura *olho sério para Talim que dormia profundamente* Venham aqui agora, vocês duas! Vocês têm ideia do que fizeram? Poderiam ter morrido!!

Vocês entenderam bem?! Se aprontarem uma dessas de novo, vou contar tudo para o Az, e ele é quem vai tratar de castigar vocês! Agora, coloquem suas bundas no avião e tratem de ficar bem quietinhas, ou vou levar vocês duas pela orelha até as Terras de Karin!


*Akane estava com os beiços enormes naquele momento, mas ouviu tudo de bico fechado. Makie ouviu tudo também, mesmo sabendo que não tivera culpa naquela história toda. Quando Ali terminou de falar, Makie olhou seriamente para ele e disse:*

Makie:- Peço minhas humildes desculpas por não ter conseguido para-la em tempo hábil, e acabarmos nesta situação. Por favor, toda e qualquer atitude mais drástica que forem tomar, me usem como receptáculo. Akane é uma criança e não sabe o que faz. Eu que deveria ter sido mais firme e não ter deixado que ela sequer entrasse no avião. - Nos olhos de Makie havia uma firmeza de uma adulta. - Sinto-me totalmente responsável por ela, e assim devo receber a punição que achares necessária, Ali-sam. Vou ficar ainda mais de olho nela, nos perdoe. - Makie fez uma reverência a moda japonesa, quase encostando a cabeça no chão. Depois saiu arrastando Akane de volta para o avião, como ele pedira.

*Que vergonha Makie sentira. Tomar uma mijada sem ter culpa, e ainda mais parecer uma adolescente tola. Sabia que não era a pessoa mais inteligente e esperta da face da terra, mas sabia de suas responsabilidades como a pessoa mais velha próxima a Akane naquele momento, e falhara. Lembrava muito bem da educação que seus pais lhe deram, e não iria falhar para com eles. Bem, estava ali para se redimir, e pelo jeito parecia que Shuuji não iria descolar de Akane tão cedo. Makie reparava em todos que estavam caminhando, principalmente que a comitiva tinha se separado em casais, principalmente depois que Ali teve que lutar com aquele Escorpião gigante, todos estavam com as atenções redobradas.

Mokona claro, com Xysuke ao seu lado, Shuuji quase levando Akane no colo, Lola-sam incrivelmente tranquila ao lado daquele rapaz que aparecera do nada, e ninguém conhecia direito, o Zero, e Talim logo atrás de Ali, que ia na frente cuidando o mínimo movimento. Pelo que Makie sabia Talim era meio noiva de Ali, ou queria ser, não sabia ao certo. O que ela sabia era que nos países árabes era possível um homem ter mais de uma esposa. Seria esse o caso... A imaginação de Makie começou a aflorar, e imaginou Ali no meio de umas 50 mulheres, seminuas, rindo, se banhando em uma piscina de um oásis paradisíaco... Um Harém... sim... ele tinha dito que era um príncipe... Um pouco de sangramento nasal, fez Makie parar de caminhar, e foi ficando para trás.

Talim percebeu o distanciamento e foi até ela:

Talim: - Sahib Makie, por favor, não se distancie tanto do grupo!

Makie:- Desculpe-me - e seguiu caminhando. Agora com Talim mais perto, ela resolveu se juntar a ela na caminhada, duas velas conversando... - Talim-chan, é impressão minha, ou nós estamos sobrando nessa comitiva de casais apaixonados?

Talim: - Não é impressão sua, Sahib Makie...    (^^)

Makie: - Talim-chan, já nos conhecemos suficiente para essas formalidades, pode me chamar de Makie-chan, me sinto mais a vontade!

Talim:- Bem, está bem... Makie-chan - Talim sorriu pra ela, e as duas seguiram lado a lado a caminhada rumo a cidadela da Torre de Karin.

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Akane
Finalmente Adolescente o/
avatar

Peixes Cavalo
Número de Mensagens : 63
Idade : 15
Localização : Atualmente Pensão Hinata
Emprego/lazer : ...
Humor : ...
Data de inscrição : 16/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sex Jan 02, 2015 10:55 pm

OFF: Momento rosmantico dramalhão mexicano, com trilha sonora árabe... Habiiibbbbiii!! Very Happy



*Akane estava curtindo o calor do deserto. Não lembrava muito bem como, mas sabia que fogo e calor eram coisas que ela achava extremamente agradáveis. Ela e Makie haviam levado uma mijada bem bonita de Ali, e ficara bem quieta, pois sabia que ele estava certo. Surpreendida por Makie ter assumido toda a responsabilidade, Akane ficou se sentindo ainda pior por ter feito aquela criancice, mas se não fosse aquilo, não estaria ali, perto de Lola, e principalmente perto de Shuuji. Lola tinha aparecido do nada, feito um rinoceronte ensandecido, através das árvores da floresta, mas Akane com seu jeitinho, tinha acalmado a leoa. E sua mãe teria que entender que ela amav... Shocked Sim... Amava Shuuji, e queria ficar com ele! (mesmo ainda tendo sentimentos mais fraternos por ele, que outra coisa, por enquanto!)
Ela ganhara uma sombrinha de Akane, que gentilmente passara para Shuuji utilizar, pois ela realmente não estava passando mal com o sol torrando sua cabeça.

Todos caminhavam pelo deserto, cuidando qualquer movimento, mas Akane cuidava somente o movimento do rapaz a seu lado. Aos poucos as lembranças iam voltando, como flashs vindos do passado. Outra coisa que Akane sentia eram arrepios pelo seu corpo todo, mas imaginou que aquilo se dava por ter Shuuji tão próximo dela. Ela olhou pra ele e falou baixinho:

Akane: - Shuuji-kun, não cheguei a te agradecer por me salvar dos paus lá na floresta...

*A palavra incorreta usada por Akane fez a imaginação fértil de Shuuji, na sua total juventude, tomar conta de sua mente, e ele colocou a mão no nariz, voltando à realidade:

Shuuji: - Dão foi dada, Akade-chand ...

*Eles caminharam por horas, sem nada acontecer, o sol foi se ponto. Ao encontrarem um oásis, todos se organizaram para acampar. Iriam ficar em duplas para cuidar do acampamento, enquanto o resto descansava. Mokona, Xysuke e Talim tomaram conta da alimentação, enquanto o resto organizava tudo.

Na hora da comida, Shuuji e Akane sentaram juntos, Akane tinha uma infinidade de perguntas para fazer para ele:

- Qual sua cor favorita...
- Qual sua música preferida...
- Ele gostava de animais de estimação?

E pensando nessas e em várias mais, parou para pensar que ela mesma não sabia, ou melhor, não lembrava de sua cor favorita, se sequer ouvir alguma música na vida...

Depois da janta, todos sentaram juntos ao redor da fogueira para escutar a história que Mokona iria contar.*

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Mokona / Arthuria
Auxiliar da Gerência ^.^
avatar

Leão Cabra
Número de Mensagens : 511
Idade : 26
Localização : Pensão Hinata
Emprego/lazer : Dai Suki Tea House/Namorar
Humor : >.<
Data de inscrição : 08/01/2008

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Sab Jan 03, 2015 12:12 am



*Deserto... a fronteira final... Esse são os Hinata Warriors... Na missão de explorar desertos estranhos... procurando por vida e novas civilizações... Audaciosamente indo onde nenhum Hinatense jamais esteve...*

*Mokona sentia-se o Capitão Kirk, Capitão Picard, Spock, Indiana Jones, Allan Quatermain e todos os outros seres imagináveis que amavam descobrir novos lugares, novas pessoas, novos perigos. Naquele momento sua anteninha de vinil cuidava os arredores, como um radar cuidadoso, sentido aranha, super audição, olhos de águia...  :¬¬:

... e bastava o toque da mão de Xysuke que nada mais importava...  Wink  I love you

Encontrando um Oásis no meio do caminho, eles armaram acampamento, mas tomando o cuidado de verificar se não tinha nenhum perigo por perto.

Ajudando Xysuke a fazer a janta, Mokona teve a oportunidade de cuidar o amor de sua vida, no momento em que estava concentrado cozinhando, fazendo de tudo com esmero para que todos gostassem do que preparava.

Depois de todos com a pança cheia, Xysuke teve a idéia de contar histórias de terror, como se faz normalmente em acampamento de férias. Bem, se era para assustar, então teria que ser ela a contar a história... Não importando se metade do pessoal iria ou não pregar o olho essa noite... Tinha orgulho em ser a melhor contadora de histórias de terror da cada da Youko... Larg tinha problemas para dormir depois...  
(orgulhoso)

Todos estavam sentados ao redor da fogueira, e Mokona começou a falar...



*Um casal morava em uma cidade pequena, e em uma noite fatídica aconteceu o que vou contar agora...
Eles saíam de uma festa de um sítio próximo, e foram a pé para casa, passando no meio de uma floresta fechada...
A moça, muito medrosa, via vultos por todos os lados, se assustava com qualquer movimento. O rapaz tranquilo, que já estava acostumado a andar no mato de noite, ia tranquilizando ela, dizendo que não era nada. Que mesmo que fossem novos na cidade, que o lugar é tranquilo e pacífico, que não deveria temer.

Em um determinado momento, eles se retesaram e ouviram passos no mato. Pararam de caminhar para ter certeza de que tinham ouvido direito... Os passos continuavam, mas eles não conseguiam identificar de onde vinha, e se era uma pessoa ou bixo...

Eles resolveram apressar o passo, e agora pareciam perseguidos...*


Mokona fez uma pausa, olhando o rosto de todos. Akane estava quase enrolada feito cobra no Shuuji, Makie era somente uma estátua de Makie, pois já tinha ido para outro plano da existência...   cold

*A moça acabou tropeçando e deu um grito... Logo depois o seu grito foi devolvido mais alto, mas por uma voz diferente... vinda de todos os cantos da floresta... Eles correram apavorados... desesperados de terror, sem saber se seriam atacados, se era uma alma, um alienígena, ou sabe-se lá o que... Saíram da floresta sãos e salvos, e correram para casa.

No outro dia a moça foi conversar com as vizinhas sobre o que tinha acontecido no mato, quando uma das senhoras a olhou e disse:

- Esse era o grito da moça que foi estrangulada nessa floresta, você não sabia? Dizem que ela se perdeu e alguém a matou lá dentro...

A pobre moça voltou pra casa apavorada, e foi contar ao esposo quando ele chegou...

- Fiquei sabendo que uma moça morreu estrangulada na floresta, e que o grito que ouvimos era a alma dela, perdida por lá...

O rapaz a olhou, com um papel na mão, branco feito fantasma e entregou o papel para a moça, que leu o que estava escrito, e...




Todo mundo que ouvia tomou um susto, mesmo os menos assustados...
Makie caiu dura pra trás  Shocked  lol!  lol!  lol! Morreu -->  sing  sing , Akane foi parar no colo de Shuuji, e o resto (off: cada um diga o que fez, por favor...) agiu de acordo com os seus medos.

Depois que todo mundo se acalmou, Mokona rindo feito louca, parou e perguntou:

Mokona: - Tá e aí, vocês não querem saber o que tinha escrito no papel?

Akane: - Tá, fala logo, Moka-chan... poxa vida, quase morri do coração - extremamente vermelha, saindo do colo de Shuuji.

Mokona: - Dizia: "Querido Fernando, mamãe vai passar uns dias em sua casa! Te amo!"

(=D)  (=D)  (=D)   (vitoria)  (vitoria)  (vitoria)  (vitoria)

_________________
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Lola Chan

avatar

Escorpião Cabra
Número de Mensagens : 37
Idade : 25
Localização : Tóquio
Emprego/lazer : Treinar no dojo
Humor : ¬¬
Data de inscrição : 23/06/2009

MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   Dom Jan 04, 2015 8:42 pm

Off: Introduzindo o Zhero com o objetivo pessoal dele.
----------------------------------------------------------------------------------
Cicatriz na Alma

Anteriormente...

Depois de muitas confusões, o grupo já se encaminhava para o avião.
Antes de partirem, Lola olha para trás e vê aquele rosto conhecido antes de embarcar. Zhero.
Ela sai do avião lentamente e fica olhando para ele, logo caminha em sua direção e do nada se curva.

- Desculpe... - De cabeça baixa ela se arrepende pelo que fez, o modo agressivo com o qual "espantou-o" de sua frente. - Não fora minha intenção de... - De repente seus olhos ficam avermelhados e cintilantes.


A visão do Kami lhe dera alguns benefícios durante algum tempo, ela enxergou atrás dele, uma vila antiga oriental. A visão era como de uma filmagem em tom de sépia aparentando um filme velho. Crianças brincavam em um páteo grande e majestoso, como um palácio. A frente daquela casa estavam um homem a se respeitar, e sua família a rodeá-lo. Mas, não eram pessoas comuns, eram... YOUKAIS, ONIS E DEMÔNIOS em toda a parte. Conviviam com os humanos, e assim aparentemente parecia ter paz.

Lola sem perceber se aproximou de Zhero ainda tendo aquela visão e tocou em seu braço esquerdo. Ela viu o inferno, literalmente chamas em todas as partes daquele lugar, havia uma mulher no local, estava carregando uma espada, a mesma que antes o homem tinha em sua cintura. Ela cortou sua própria mão, os parentes ao chão mortos, ela perecia tentar reviver... Com a espada?!

Mas, afinal de contas...

- O que é isso? - Ela fala ao recuperar a visão normal agora tocando no rosto dele com as duas mãos, sem perceber.

Question
...................
.....................
..........................
.............................
What a Face Laughing  

- Me desculpe! - Se curva algumas vezes. - Eu não consigo controlar direito isso... dãã

Ela se afastou, se recompos, virou de costas e perguntou.

- Você parece estar atrás de respostas para isso que acabei de ver... Se está procurando aquela espada... Então deveria vir conosco... - Em algum momento da visão, ela enxergou ao fundo o rosto de um homem, Abubu?

Seria Abubu o responsável pela captura da tal espada que Lola viu naquela visão?

Um tempo depois...

Aquele novo lugar parecia estranho, o deserto...

Mokona começou a contar histórias de terror, mas, Lola não parecia muito impressionada, apesar de ter demonstrado interesse em encarar Shujji de forma mortal enquanto Akane se enrolava nele com medo.
Lola estava sentada em uma pedra olhando as chamas daquela pequena fogueira, sem se dar conta, ela removia sua capa, sentindo o calor daquela noite. Usava uma roupa apertada e negra, como um kimono só que cortado na altura das coxas, um tipo de corpete de aço era sua armadura, as mangas eram longas o tecido esvoaçava assim como seus cabelos negros presos em rabo de cavalo.

Sua mente vagueia, e ela parecia reviver aquela cena das chamas e das mortes daquela família. Ela mexia em sua sandália tipo gladiador negra, amarrando-a firme até a panturrilha próximo ao joelho. Parecia distraída naquele momento.

- Kyoto... Temos que ir para lá, de alguma forma em algum momento desta viagem... - Ela levanta a cabela e olha ao redor, seus olhos se dirigem a Zhero como se já soubesse que sua informação de certa forma agora lhe era útil.

_________________
"Não importa o quanto eu caia, eu sempre irei me levantar!"


"Sua vida não pertence mais somente a você, divida comigo, e terás meu poder." - Kami Serpente.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Em busca das armas sagradas   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Em busca das armas sagradas
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 4 de 6Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte
 Tópicos similares
-
» 4º Alteração à Lei das Armas acaba de ser aprovada
» ABC das armas
» Transporte de armas.
» almas das armas desportivas e de caça: quais são as diferenças
» Em busca do oleo perfeito!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Hinata Sou ~ Wellcome :: ~ Navegando Na Pensão ~ :: *~* Aventuras Aqui *~*-
Ir para: